Browsing Category

Videos

Maturidade

dezembro 5, 2019 0 comentários

“Pois com efeito, quando devíeis ser mestres,atendendo ao tempo decorrido,tendes necessidade de alguém que vos ensine de novo quais são os princípios elementares dos oráculos de Deus, assim vos tornastes como necessitados de leite, e não de alimento sólido. Ora, todo aquele que se alimenta de leite, é inexperiente na palavra da justiça, porque é criança. Mas o alimento sólido é para os adultos, para aqueles que, pela prática, têm a as suas faculdades exercitadas para discernir não somente o bem mas também o mal. “ Hb 5:12 – 14

 

Recentemente, na empresa que trabalho teve o dia da saúde … então todos nós fizemos alguns exames. Um deles é o exame chamado de bioimpedância que diz, baseado em algumas análises,  qual é a idade do corpo da pesssoa.O resultado não me surpreendeu, o meu corpo está 8 anos mais velho do que a minha idade biológica, ou seja, eu não estou cuidando do meu corpo de forma adequada e ele está sofrendo os efeitos do meu sedentarismo e maus hábitos.

 

Claro que fiquei pensando na aplicação dessa situação para a minha idade espiritual. Isso porque a minha idade espiritual não necessariamente acompanha a minha idade de conversão. Então eu posso ter 30 anos de conversão mas ter 5 anos de idade espiritual.

 

Como o Senhor disse a Nicodemos, um dia nascemos de novo para Deus, e nos percebemos como crianças recém nascidas desejosas e necessitadas do genuíno leite espiritual (I Pe 2:1). Descobrimos um mundo novo, passamos a entender o que está por detrás das coisas, ao avançar no entendimento ficamos sabendo que, de fato, são os agentes da dimensão espiritual que dirigem e governam a dimensão física de matéria. Então começamos aprender a orar. Exercitamos a nossa fé em conhecer cada vez mais ao próprio Deus, o pai de nosso Senhor Jesus Cristo, por meio do Espírito Santo que Ele mesmo enviou para habitar dentro de nós. E, vamos crescendo e ganhando entendimento das coisas espirituais e como Hebreus testemunha de Moises, permanecemos firmes como quem vê aquele que é invisível (hb 11:27).

 

O que o escritor de hebreus define como um sinal de maturidade está justamente no fato de que um adulto tem a capacidade de discernir as questões de maneira espiritual. Isso não cai do céu ou vem automaticamente, essa capacidade de enxergar as situações pela perspectiva divina cresce e aumenta em nós pela prática, ao exercitarmos a nossa faculdade para discernir o bem e o mal em todo o momento.

 

O que caracteriza a meninice é o materialismo. É olharmos as coisas na perspectiva terrena e humana. Esquecemos que a nossa herança está nos céus (I Pe 1:4) e investimos a nossa energia em acumular tesouros na terra. Esquecemos que somos peregrinos e aguardamos a pátria celestial (Fp 3:20) e fincamos nossas raízes neste mundo. Esquecemos que o Senhor já nos tem abençoado com toda sorte de bençãos espirituais nas regiões celestiais (Ef 1:3) e não tomamos posse porque estamos focados nas bençãos materiais. Esquecemos que a nossa luta não é contra sangue e carne  mas sim contra principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes (Ef 6:12) e passamos a brigar e lutar com a esposa, o filho e os irmãos. É o que Paulo diz na lata aos corintios: “Eu porém irmãos não vos pude falar como a espirituais; e sim como a carnais, como a crianças em Cristo. Leite vos dei a beber, não vos dei alimento sólido; porque ainda não podíeis suportá-lo. Nem ainda agora o podeis, porque ainda sois carnais.””I Co 3:1 – 2

 

E assim como acontece no mundo físico, uma criança espiritual não tem tamanho nem força para lutar as guerras do Senhor. A sua carnalidade a leva sempre a correr atrás de brinquedinhos espirituais e do leitinho para o dia mas ela não tem a capacidade de absorver a energia proveniente do alimento sólido que a fortalece para a batalha. 

 

Possa o Senhor renovar a nossa mente e nos livrar da paralisia do crescimento espiritual. Para que quando estivermos diante da presença Dele venhamos a nos apresentar como soldados que combateram o bom combate.

 

“Até que cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, a perfeita varonilidade à medida da estatura da plenitude de Cristo, para que não mais sejamos como meninos, agitados de um lado para o outro””Ef 4:13,14

 

Latrina

novembro 28, 2019 0 comentários

“”Penetraram na casa de Baal, e as queimaram. Também quebraram a própria coluna de Baal, e derrubaram a casa de Baal, e a transformaram em latrinas até o dia de hoje.”  II Rs 10:26,27

Lendo a história de Israel podemos perceber os esforços do Senhor Jeová em ensinar, repreender e corrigir o seu povo. Muitas vezes Ele usava de coisas práticas da vida para testemunhar das coisas espirituais. Por ex: O Senhor Mandou Jeremias andar com um cinto de linho apodrecido para revelar o que aconteceria com Judá. Por três anos Isaias andou despido e descalço por sinal contra o Egito ou quando o Senhor ordenou Oseias a se casar com uma prostituta e ter filhos de prostituição para, assim,  profetizar acerca do adultério espiritual de Israel.

 

Da mesma forma, acho muito poderosa e radical a mensagem que o Senhor Deus está tentando nos ensinar com o que aconteceu com o templo de Baal. Conhecemos a história, como o povo de Israel estava constantemente flertando com a idolatria ao cultuar e servir a um outro senhor – que é o significado da palavra Baal (só que esse Senhor é com s minúsculo). Após uma restauração promovida por Jeú, a casa de Baal foi transformada em banheiro público. Isso mesmo, essa casa que para muitos era sagrada, foi transformada em um lugar onde os homens despejam as suas excreções. 

 

E o que faz nosso sistema excretor? Ele joga fora tudo aquilo que ingerimos mas que o nosso corpo não absorve ou aproveita. Tudo o que tem valor para a vida o corpo absorve mas aquilo que não presta nosso corpo joga fora. É como se Deus tentasse nos ensinar dizendo: tudo o que você fizer que não é para mim ou por meio de mim será como o lixo. Um total desperdício.

 

Paulo entendeu essa verdade. Assim ele expressa seu sentimento aos filipenses quando diz: “”por amor de Cristo,perdeu todas as cousas e as considerava como refugo (ou em outras versões – esterco), para ganhar a Cristo.””Fp 3:8  Que lindo testemunho do apóstolo! Cristo é o meu grande amor. Ele é o meu tesouro todas as outras coisas, comparadas a Ele, são como lixo – não tem proveito. E esse é o genuíno testemunho do Cristão… não tem nada haver com uma religião, não é um conjunto de normas e restrições que eu me submeto. Mas tem haver com uma pessoa, que conquistou meu amor de tal maneira, que todas as outras coisas ficaram ridiculamente menores. A religião me diz o que eu não posso fazer. A vida, porém, me mostra que nada dessas coisas tem de fato valor.  O legalismo me proíbe de um monte de coisas e de desejos, o amor me liberta de todas elas.

 

Eu tento perceber o que o Espírito Santo quer me ensinar, apesar do meu coração obstinado, eu preciso meditar nessa verdade: Cristo é tudo e tudo que é fora dele nada é. Me envergonho em perceber que ainda tento relativizar essa realidade. E muitas vezes coloco o que é esterco como alguma coisa de valor.

 

A saída para essa situação é investir tempo em conhecer cada vez mais ao Senhor Jesus – se Ele crescer em importância e amor dentro da minha história, todas as outras coisas, se tornarão insignificantes e não encontrarão em mim, nenhum sinal de desejo.

“Quem mais tenho eu no céu? Não há outro em quem eu me compraza na terra.” Sl 73:25

 

Entropia

novembro 22, 2019 0 comentários

“”Não desanimamos, pelo contrário, mesmo que o nosso homem exterior se corrompa, contudo o nosso homem interior se renova de dia em dia. Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória, acima de toda comparação.””II Co 4:16,17

Vivemos em um grande sistema que está em profunda desordem. Podemos observar essa desordem nas coisas pequenas da vida: por ex: uma fruta tem seu ciclo de maturação e depois que arrancamos ela da árvore, rapidamente apodrece. O nosso corpo também está em constante desordem e degradação. É por isso que comemos, bebemos água e dormimos, para ajustar e regular o organismo, caso contrário o sistema entrará em falência. E ainda que você tenha o máximo de cuidado com o seu corpo, em algum momento, inevitavelmente,  ele entrará em colapso e uma desordem no seu organismo gerará a sua morte. Infelizmente também descobrimos que existe uma desordem no sistema social. Pessoas enlouquecem, se perdem para as drogas, prazeres e dinheiro. Como consequência dessas coisas, estamos cercados por sociopatas, estupradores, ladrões. Eles podem roubar, machucar e matar não apenas a nós mas àqueles que nós amamos. Sofremos diretamente com a desordem emocional dos outros e isso também gera desordens emocionais dentro de nós. 

O grau de desordem em um sistema é conhecido na literatura como Entropia. As empresas, relacionamentos, a saúde …todas as coisas tem um certo grau de entropia … de maneira de que, se nada for feito, tudo tende a desordem. 

Paulo percebeu essa desordem operando sobre ele quando ele diz que o meu homem exterior está em corrupção, em outra passagem também ao coríntios Paulo diz que dia a dia ele está morrendo … Isso porque ainda estamos inseridos em um mundo que jaz no maligno. A ideia de que problemas e desordens não sobrevém sobre os filhos de Deus é um pensamento que, mais cedo ou mais tarde, será confrontado com a entropia da vida. Mas, o que a Bíblia nos diz, é que apesar de toda a desordem externa, o Senhor Deus é poderoso e deseja produzir uma perfeita ordem dentro de nós. Paulo continua o texto dizendo: se por fora eu estou em corrupção por dentro tenho experimentado um renovo todos os dias. Se por fora existe desordem no meu espírito Deus tem ordenado todas as coisas. 

Pensando nisso me recordo da história de um missionário que estava viajando de navio quando ouviu o capitão do barco dizer: “estamos passando por um espesso nevoeiro em uma região com muitas rochas … se alguém aqui acredita em Deus, é um bom momento de pedir para que ele nos salve””. Então aquele missionário ajoelhou-se e pediu com sinceridade: “”Senhor tire as pedras do nosso caminho”. A viagem transcorreu bem eles chegaram ao destino sem nenhum problema. Quando ele voltava dessa viagem ao passar por aquela região novamente – agora em um lindo dia de sol e sem nenhuma neblina. Ele se lembrou da experiência passada e orou: “”Deus, muito obrigado porque naquele dia o Senhor tirou as pedras do caminho” no que ele entendeu o Senhor falando ao seu coração dizendo: “”Não meu filho, eu não tirei as pedras do caminho, eu elevei o nível das águas de maneira que vocês passaram por cima de todas as pedras.””

Eu não sei quais são os problemas, dores e desordens que ainda terei que passar durante a minha peregrinação nesta terra.  Eu não sei quais pedras estarão no meu caminho. Mas uma coisa eu tenho absoluta certeza, o Senhor Deus que também é o meu pai, estará sempre comigo. E Ele tem Graça superabundante para elevar o nível da minha fé e tem poder para, em qualquer situação, ordenar ordem , vida e paz para o meu homem interior.

“E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus””Fp 4:7

 

Empurrando o carro

novembro 7, 2019 0 comentários

“Fazei e guardai, pois, tudo quanto eles vos disserem, porém não os imiteis nas suas obras, porque dizem e não fazem.”  Mateus 23:3

 

Certa vez, Um grupo de pessoas fez a seguinte experiência: colocaram um carro enguiçado na rua e uma pessoa parada ao lado pedindo ajuda… esperaram por alguns minutos e ninguém parou para ajudar. Depois pegaram o mesmo carro, a mesma pessoa na mesma rua e, ao invés de ficar parada pedindo ajuda ela começou a empurrar o carro … em pouco tempo outras pessoas se apresentaram para ajudar.

 

Não precisaríamos fazer uma experiência como essa para saber, intuitivamente,  essa verdade: pessoas se identificam e se solidarizam muito mais com aqueles que estão tentando do que com aqueles que estão simplesmente apontando o problema. 

 

A Bíblia nos mostra que nossas palavras necessitam andar de mãos dadas com o nosso comportamento. Esse é o testemunho sobre o Senhor em Atos 1:1 quando Lucas diz das cousas que Jesus começou a fazer e a ensinar ou quando João Batista enviou mensageiros para conversar com o Senhor. Ele responde “ide, anunciai a João o que estais ouvindo e vendo:” Paulo escrevendo aos Filipenses ele pede para que se lembrassem das coisas que eles ouviram e viram nele” da mesma forma na sua última carta,falando a Timoteo ele diz: “tu porém, tens seguido de perto o meu ensino e procedimento”. A proclamação do evangelho é muito mais do que palavras que se pregam é uma vida que se vive. E essa é a critica do texto do inicio desta meditação quando o Senhor fala dos fariseus … teoria nota 10 prática nota zero. Ensinam sobre o amor mas não amam. Reclamam da falta de compromisso dos outros mas eles mesmos não se consagram. Ficam na periferia murmurando e criticando tudo e todos. Sempre, claro, envolvendo suas observações em uma falsa aparência de piedade. 

 

Muitas vezes a vida de igreja parece com um carro enguiçado. O que era para ser não é e tudo parece estagnado. Enxergamos os problemas e ai podemos reagir de duas formas: ou ficamos murmurando e reclamando da situação e das pessoas ou começamos a empurrar o carro sabendo que alguma coisa precisa ser feita. É como se diz: a mudança que espero nos outros começa primeiramente dentro de mim. 

 

Tenho a impressão que se você decidir agir mais do que falar acontecerá duas coisas: A primeira é que, com o tempo, outras pessoas, encorajadas pelo seu exemplo, começarão a empurrar o carro junto com você. E a segunda coisa é que você perceberá que outros irmãos já estavam empurrando o carro muito antes de você começar.

 

“Não amemos de palavra nem de língua mas de fato e de verdade” I Jo 3: 18

 

A melhor parte

outubro 31, 2019 0 comentários

“Indo eles de caminho entrou Jesus num povoado. E certa mulher, chamada Marta, hospedou-o na sua casa. Tinha ela uma irmã chamada Maria, e esta quedava-se assentada aos pés do Senhor a ouvir-lhe os ensinamentos. Marta agitava-se de um lado para outro, ocupada e muitos serviços. Então se aproximou de Jesus e disse: Senhor, não te importas de que minha irmã tivesse deixado que eu fique a servir sozinha? Ordena-lhe, pois que venha ajudar-me. Respondeu-lhe o Senhor: Marta! Marta! andas inquieta e te preocupas com muitas cousas. Entretanto, pouco é necessário, ou mesmo uma só cousa: Maria, pois, escolheu a boa parte e esta não lhe será tirada.”  Lucas 10: 38 – 42

 

Talvez você já tenha escutado alguém, ao fazer uma reflexão sobre esse texto dizer, que mais importante do que servir ao Senhor é estar aos seus pés. Isso é, em qualquer perspectiva, uma verdade absoluta porque podemos trabalhar para o Senhor sem estarmos aos seus pés. Porém quem estiver aos seus pés inevitavelmente trabalhará para Ele.

O problema que surge é que, muitas vezes parece existir a necessidade de fazermos uma escolha: ou somos como Marta ou somos como Maria. Temos de escolher: ou trabalhamos ou ficamos parados aos seus pés. Isso tem levado alguns de nós a uma vida cristã pouco prática e até mesmo ociosa. Nos contentamos com uma experiência basicamente contemplativa e pouco operosa. Lendo Tiago capitulo 2 vemos claramente, que qualquer bom observador da nossa vida pode concluir o que nós realmente cremos, não pelo que falamos mas pelo que fazemos. Tiago diz: eu com a minhas obras te mostrarei a minha fé. 

De maneira que não penso que o propósito da história de Marta e Maria seja nos mostrar que essas duas dimensões (trabalho e contemplação) não possam andar juntas.Creio que essa história nos revela o perigo de termos um coração dividido. 

Lucas começa nos apresentando Marta: é ela quem hospeda ao Senhor e com sinceridade ela se ocupou em servi-Lo em muitas coisas. Até o momento em que Marta para de olhar para o Senhor e começa olhar para a sua irmã… E ao olhar para a sua irmã – se comparou. E ao se comparar – se incomodou. E ao se incomodar – reclamou. E ao reclamar – Ela ordenou ao Senhor que ordenasse o que a sua irmã deveria fazer. 

E é nessa situação que o Senhor Jesus corrige o coração de Marta. Porque ela havia tirado os seus olhos do Senhor e passou a olhar para os lados. E quando servimos a Deus olhando para as pessoas e não para Ele, nós perdemos a boa parte. Passamos a nos sentir superiores que os outros. Tiramos conclusões e julgamos ao próximo tendo o nosso serviço como referência. Passamos a reclamar uns dos outros e dizer o que o outro deve fazer. Pense no constrangimento que Marta passou. É como se o Senhor Jesus a corrigisse dizendo “não me diga o que devo ordenar, mas se eu fosse ordenar alguma coisa para alguém seria para você Marta… e eu te ordenaria que você olhasse apenas para mim e aquietasse o seu coração:”

O texto diz que Maria ficava aos pés do Senhor ouvindo os seus mandamentos. De maneira que eu tenho para mim,  que se Marta não tivesse falado nada e com alegria continuasse a servir ao Senhor, em algum momento o Senhor Jesus falaria para Maria: “agora se levante e vá ajudar a sua irmã”. Então teríamos essas duas mulheres servindo e contemplando apenas o Senhor com alegria e integridade de coração. 

Minha oração é que assim como Marta eu me ocupe em servir ao Senhor Jesus em muitas coisas mas, que assim como Maria, eu sempre esteja aos seus pés olhando apenas para Ele.

“Tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como para o Senhor” Cl 3:23

O bom depósito

outubro 24, 2019 0 comentários

“Mantém o padrão das sãs palavras que de mim ouviste com fé e com o amor que está em Cristo Jesus. Guarda o bom depósito, mediante o Espírito Santo que habita em nós” II Tm 1:13,14

Não sei como é a sua experiência de leitura bíblica mas, no meu caso, muitas e muitas vezes eu me obriguei a gastar um tempo lendo as escrituras. Não raro, após esse tempo eu tenho a sensação de que nada foi acrescentado. Parece que estou lendo um livro como de biologia ou história e não consigo sentir que estou diante da palavra eterna e perfeita de Deus. Dá uma sensação de que é um tempo de pouco proveito e sem nenhuma transformação no meu interior. E isso me leva  a um desânimo para agendar o meu próximo encontro com a bíblia. 

 

Na passagem que lemos, Paulo encoraja a Timóteo a guardar o bom depósito do conhecimento que ele obteve mediante a operação do  Espírito Santo. 

 

Isso porque o Espírito Santo que habita em nós é o administrador desse depósito. Ele revela, ilumina e nos ensina usando esse bom depósito no momento certo. Quanto mais depósito tivermos mais material o Espirito Santo terá para realizar o seu trabalho. Lembre-se quando o diabo tentou o Senhor Jesus no deserto, mencionou as escrituras dizendo “está escrito” mas o Senhor, que tinha o seu depósito,  prontamente rebateu dizendo “mas também está escrito”. Quanto mais ricamente habitar a palavra de Deus em nós mais protegidos estaremos das heresias que nos são oferecidas muitas vezes usando a própria biblia.

 

Agora, se existe o bom depósito é porque também existe o mau depósito. Pense por um minuto, se você depositar em sua mente o que o mundo oferece como por ex: erotismo, violência, ganância ou uma vida egoísta que tipo de material o Espirito Santissimo de Deus terá dentro de você para realizar o Seu precioso trabalho? Talvez seja isso que Paulo alerta aos Tessalonicenses: não apagueis o Espírito …  se entulhamos o poço com lixo como poderá fluir do nosso interior os rios de água viva? 

 

Conta-se a história de que um dia, um jovem cristão reclamou com um ancião de que ele lia a biblia mas tinha a sensação de que lhe era inútil. Aquele  irmão mais velho pegou então um balde abandonado no quintal que estava todo sujo, enlameado e todo furado e pediu para que o jovem corresse até uma fonte próxima dali e que o enchesse e  trouxesse o balde com água. O jovem estranhou o pedido uma vez que como o balde estava todo esburacado, a água escorreria por ele. Mas ele assim o fez, tentou correr o mais rápido possível mas sempre quando chegava  perto do ancião toda a água que ele havia colocado dentro do balde, já havia escoado. E assim o ancião pediu para que ele o fizesse algumas vezes. Até que ele perguntou: “você se sente como esse balde furado? você tem a sensação de que não consegue reter a palavra?” então o jovem disse: “sim irmão, me sinto exatamente dessa forma” no que o ancião respondeu: “mas olhe agora para o balde, ele está totalmente limpo.”

 

Muitas vezes eu invisto tempo em simplesmente ler a bíblia, conhecer as histórias e me familiarizar com os textos. Outras vezes fico o dia todo recitando algum versículo no esforço  de conseguir memorizá-lo.. Fazer isso pode parecer uma coisa mecânica e “pouco espiritual” mas quanto mais depósito da palavra de Deus eu guardar em meu coração maior e mais rico será o material que o Espírito Santo terá para fazer Sua obra em mim.

 

Não desanime irmão, tenha o bom e importante hábito de ler e meditar na bíblia todos os dias. Está na sua mão fazer o depósito e está nas mãos do Espírito Santo fazer a obra.

 

“Não cesses de falar deste livro da lei, antes medita nele de dia e de noite para que tenhas o cuidado de fazer segundo a tudo quanto nele está escrito; então farás prosperar o teu caminho e serás bem sucedido.” Josué 1:8

 

Escolhas

outubro 17, 2019 0 comentários

“apanhai-me as raposas, são as raposinhas que devastam os vinhedos” Ct 2: 15

Certa vez vi uma dessas matérias que nos parecem inacreditáveis (depois pesquise na internet e verá o artigo): um canadense conseguiu trocar um clipe de papel por uma casa. Logicamente, ninguém trocaria uma casa por um simples clipe, o que esse esperto canadense fez foi realizar trocas, onde, no final, conseguiu chegar à casa. Então o clipe de papel foi trocado por uma caneta com forma de peixe. A caneta foi trocada por uma maçaneta de porta com desenho especial, a maçaneta por um fogareiro de acampamento e o fogareiro por um gerador. Dessa forma, ele foi trocando e trocando até chegar à uma casa na cidade de Kipling, Canadá.

Esse é um exemplo positivo de como uma pessoa, através das suas escolhas seguiu por um caminho de prosperidade. O problema é quando acontece o contrário conosco. Temos uma casa e à medida que fazemos nossas escolhas e tomamos as nossas decisões podemos terminar a nossa vida com apenas um clipe de papel nas mãos.

Eu fico pensando em Ló, a bíblia o chama de homem justo, porém teve um final de história muito triste e miserável. Mas esse processo não foi de um dia para o outro … “ló foi armando suas tendas até Sodoma e passou a conviver com pessoas más e grandes pecadores contra o Senhor” (Gn 13: 12-13). O inimigo tem suas estratégias e planos … ele não nos oferece alguma coisa que nos assuste e nos  afugenta. Ele te oferece coisas que estão dentro das nossas possibilidades e uma vez que ele fincou uma legalidade maligna nas nossas emoções ele começa o trabalho de deformar e corromper cada vez mais nossa percepção e valores de maneira que não percebemos as trocas que fazemos. Ele vai oferecendo pequenas situações onde você fará pequenas escolhas que poderão destruir a sua história. Apanhem as raposinhas porque são elas que devastam o vinhedo. 

Muitas vezes, os resultados das nossas escolhas não são imediatas. Assim como o filho pródigo, podemos passar por um período de falsa paz e alegria, até darmos conta de que estamos muito longe da casa do Pai nos alimentando do resto da comida dos porcos (Lc 15:14-16). E isso deveria ser um grande alarme para nós: porque as escolhas do presente  determinarão o que seremos no futuro.

Você é livre para escolher qual semente irá plantar mas lembre-se você será obrigado a colher o que semeou. Essa é a lei da semeadura que Deus estabeleceu e nenhum de nós consegue escapar: semeamos pensamentos colhemos comportamento; semeamos comportamento e colhemos hábitos, semeamos hábitos e colhemos caráter, semeamos caráter e, então  colheremos o nosso destino.

“De Deus não se zomba porque aquilo que o homem plantar isso também ceifará” Gálatas 6: 7

Com vergonha do evangelho

setembro 26, 2019 0 comentários

“não me envergonho do evangelho porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê” Rm 1:16

Certa vez eu li o relato de um pastor que participou de uma reunião de jovens em uma igreja lá nos Estados Unidos. onde ele diz mais ou menos o seguinte:

“Entrei em um tipo de loft que combinava diversos elementos: fliperama, cafeteria, clube de dança e recreação. A sala pulsava energia com uma sensação de felicidade. Alguns jovens estavam jogando playstation outros estavam largados no sofá vendo seus celulares enquanto que outros estavam conversando ao redor de uma mesa cheia de guloseimas. Após algum tempo, todos eles se reuniram para o início do culto. Começou então uma adoração comunitária . Uma banda barulhenta ocupava o palco central. A banda conduzia o grupo por uma sequência incitante de canções de louvor triunfantes e depois por uma sequência de meditações introspectivas. Abruptamente, eles pararam de tocar e um grupo de teatro subiu no palco para aliviar a atmosfera e comunicar a todos que seguir a Jesus pode ser divertido. Depois disso um pastor jovem e moderno trouxe uma mensagem onde, resumidamente, ele  dizia “não beba” “não fume” e principalmente “não faça sexo” tudo isso com uma grande preocupação de não parecer careta nem soar uma coisa chata. Após terem recebido uma mensagem vagamente bíblica os jovens foram dispensados com promessas de mais divertimento na semana seguinte.”

A turma que nasceu após o ano 2000 é conhecida na literatura como a geração Z ou os nativos digitais. Eles não sabem o que é um mundo sem internet, são multimídia, multitelas e por isso mesmo,  conquistar a atenção deles não é nada fácil. Os pais desses jovens possuem uma honesta preocupação de que seus filhos saiam da igreja e abandonem a fé. Mas, se a intenção é correta os meios escolhidos são perigosos e insuficientes. Porque transformamos o ministério de jovens em uma tentativa de lhes oferecer o próprio mundo envelopado na religião cristã na tentativa que isso consiga os segurar na igreja. 

O remédio que se oferece aos jovens poderá, no futuro, tornar-se em um veneno. Porque se a tentativa é oferecer as coisas do mundo em doses homeopáticas chegará um momento em que o jovem descobrirá que poderá experimentar todas essas coisas de uma forma mais liberada fora da igreja. Não oferecemos entretenimento, isso o mundo oferece melhor do que nós. Não oferecemos diversão, vida social ou experiências sensoriais … oferecemos o evangelho eterno e imutável de Deus que nos liberta de um império e nos transporta para pertencermos a um outro reino.

Precisamos enfrentar essa realidade com coragem e temor porque manter nossos jovens presos no prédio da igreja não é, de modo algum, sinônimo de torná-los prisioneiros de Cristo. O preço a ser pago para se tornar um discípulo de Cristo é altíssimo porque o custo é a própria vida.  Por isso que o Senhor já nos avisou que a porta é estreita e apertado o caminho que conduz para a vida e são poucos que se acertam com ela.  

Não devemos nos envergonhar do evangelho de Deus como se fosse insuficiente para os nossos jovens ou desatualizado para os dias de hoje.  Não devemos omitir as duras verdades do evangelho com medo de que o nosso ouvinte fique chateado ou pense que somos radicais demais. Que o Senhor nos livre de fazermos concessões ou adulterações na sua palavra na  tentativa de tornar o convite de Cristo mais agradável e palatável a quem quer que seja. 

 

A Igreja, como nação santa, como povo de propriedade exclusiva de Deus, dá esse testemunho … vivemos para Cristo. nós nos reunimos por causa de Cristo, servimos e amamos uns aos outros por causa de Cristo.  Se isso parece loucura para alguns, para nós é poder e sabedoria de Deus.  

 

“nós pregamos a Cristo crucificado, escândalo para os judeus, loucura para os gentios;  mas para os que foram chamados, pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus” I Co 1: 23,24

 

O fogo e a brisa

setembro 19, 2019 0 comentários

“Disse-lhe Deus: sai e põe-te neste monte perante o Senhor; e um grande e forte vento fendia os montes e despedaçava as penhas diante dele, porém o Senhor não estava no vento. Depois do vento um terremoto, mas o Senhor não estava no terremoto, depois do terremoto um fogo mas o Senhor não estava no fogo ; e , depois um cicio tranquilo e suave. Ouvindo-o Elias envolveu o rosto no manto e, saindo pôs-se à entrada da caverna. Eis que lhe veio uma voz e lhe disse: Que fazes aqui Elias?” I Reis 19: 11 – 13

O profeta Elias vinha de uma grande vitória. É uma daquelas histórias que gostamos de contar para as crianças e a lemos nos deliciando em cada versículo. Elias havia chamado o povo para assistir uma “disputa” de poder entre deuses. De um lado, estava o Senhor Jeová, Deus de Israel e do outro lado Baal representado por 450 profetas. O povo se reuniu para testemunhar qual deles era, de fato o verdadeiro. A prova era simples, cada um dos lados ofereceria um sacrifício ao seu deus e o vencedor seria àquele que fizesse descer fogo do céu como um sinal de resposta e aceitação. Conhecemos a história, de como os 450 profetas de baal ficaram por meio dia clamando e suplicando uma manifestação que não veio. E quando Elias orou a Jeová imediatamente caiu fogo do céu consumindo o holocausto, a lenha, as pedras e a terra.

Eu consigo entender porque essa história nos atrai tanto. Todos nós gostaríamos de ter um dia de Elias, de orar e pedir ao Senhor que de uma maneira poderosa e inequívoca se manifeste, convencendo os incrédulos do seu erro e provando que Deus é real.

Quase me parece inacreditável o que acontece na continuação dessa história. Elias ouviu as ameaças de morte feitas pela rainha Jezabel, teve medo e fugiu para o deserto pedindo para si a morte. E é nesse contexto que temos a passagem que li no início deste pensamento. Escondido em uma caverna, Deus ordena que Elias saia e fique perante o Senhor. Então, veio um vento tão forte que despedaçou a penha mas Deus não estava lá. Depois veio um terremoto mas Deus não estava lá. Quando Elias viu o fogo deve ter pensado “ah! esse é o Deus que eu conheço, o Deus que faz descer fogo do céu … mas…. Deus também não estava lá. Talvez para a surpresa de Elias, Deus se manifestou através de um cicio tranquilo e suave. Deus estava no sussurro da brisa.

Fico pensando nesse exemplo e de como para nós é fácil vermos Deus nas coisas espetaculares mas, muitas vezes, não conseguimos vê-lo na brisa por ser comum demais.É fácil ouvi-lo quando ele se manifesta com a voz de um trovão, mas será que o ouvimos quando ele apenas sussurra mansamente perto do nosso ouvido? Achamos que Deus está apenas presente quando pessoas são curadas ou mortos são ressuscitados. Mas Deus também se revela nas coisas acessíveis da vida: Deus está na brisa suave de uma visita ao enfermo ou na oferta financeira que se dá ao necessitado ou no amigo que dá do seu tempo e consolo ao desanimado. Deus é a voz baixa e suave que santifica o jovem, que restaura o casamento, que inspira os pais na educação dos filhos, que une a igreja no vínculo do amor. Deus é a voz mansa e tranquila no pedido de perdão, no ósculo santo, na prática do bem ou no partir do pão em que anunciamos a morte de Cristo até que Ele venha.

Eu nunca vi fogo cair do céu … e talvez eu nunca o veja. Mas eu já senti o efeito da brisa sobre mim, muitas e muitas vezes. E isso me basta para saber e crer que Deus é real. Que Ele fala, que ele opera e que está presente.

“eis que estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos” Mateus 28:20

 

 

popstar

agosto 30, 2019 0 comentários

“Para isto se manifestou o Filho de Deus, para destruir as obras do Diabo” I João 3:8

O pai de um grande amigo meu de adolescência sofria de um estranho distúrbio. Acho que ele era médico hematologista que durante muitos anos trabalhou pesquisando e estudando sobre micróbios, bactérias, vírus e outros seres microscópicos que podem afetar a saúde humana. Porém, ao longo do tempo, ele desenvolveu uma fobia por sujeira e uma exagerada preocupação por limpeza tomou conta da sua vida. Ele passava mais de 10 horas por dia tomando banho. As tarefas normais do dia-a-dia como abrir uma porta, pegar um copo ou ligar uma TV ele só fazia usando luvas cirúrgicas. Parou de trabalhar e já não saia de casa. Todo o conhecimento adquirido voltou-se contra ele o fazendo escravo dos temores que ele mesmo pesquisava.

Tenho a mesma sensação quando vejo alguns cristãos falando tanto sobre o diabo e seus demônios. Batalha espiritual é um assunto instigante em que corações curiosos se inclinam com grande interesse. Livros são vendidos onde se relata com riqueza de detalhes sacrifícios macabros envolvendo vidas humanas. Outros se aventuram a traçar um mapa espiritual do Brasil detectando os principados de cada cidade ou estado do país. Sem perceberem, tratam o diabo como um popstar. Mas assim como aconteceu com o pai do meu amigo, muitas dessas pessoas são tomadas por um extremismo que os domina. Vêem o diabo por detrás das marcas de roupa, no pneu do carro quando fura e na lâmpada do quarto quando queima. Estão tão atentos ao diabo que esquecem do Senhor Jesus. Ficam preocupados com o derrotado e perdem a oportunidade de contemplarem o grande vencedor.

Com isso, não quero dizer que não existe um inimigo ou que não devemos “ignorar seus desígnios”( II co 2:7), porém a bíblia nos assegura que guerra já acabou. Satanás foi derrotado na cruz do calvário. O filho de Deus já ergueu sua voz proclamando: “Está consumado!” (Jo 19:30). A única coisa que a Igreja deve fazer com respeito ao diabo é permanecer firme: “Resisti-lhe (ao diabo) firmes na fé” (I Pe 5:9); “Revesti-vos de toda armadura de Deus para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo” (Ef 6:11) ou “Sujeitai-vos a Deus mas resisti ao diabo e ele fugirá de vós” (Tg 4:7).

Devo reconhecer que esse assunto ainda me atrai e que, muitas vezes, preciso buscar meus pensamentos que vagueiam em conjecturas sem propósito. A Palavra de Deus não nos encoraja a adentrarmos nesse terreno, muito menos em gastarmos tanto tempo pensando nas estratégias das trevas. É como aquela velha estória do agente da polícia federal especialista em detectar cédulas de dinheiro falsas. Um dia alguém perguntou: “Diante de tantos métodos de falsificação e tanto tipo de notas falsas que existem por aí, como você consegue perceber qual é a falsa?” Então ele respondeu: “É fácil. Eu conheço muito bem a nota verdadeira.”

Estejamos atentos. O Senhor Jesus é o nosso centro. Ele deve ocupar toda a nossa meditação. Ele é o motivo das nossas reuniões. O diabo já está julgado (Jo 16:11) não vamos dar crédito às suas tentativas de nos distrair com qualquer coisa que nos afaste do nosso Senhor. A obra de Cristo é tão completa e foi tão devastadora contra toda obra do diabo que a nossa principal tarefa nesta batalha é descansar no que já foi conquistado.

“para que pela sua morte (Cristo), destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo, e livrasse a todos que, pelo pavor da morte, estavam sujeitos à escravidão por toda a vida.” Hebreus 2:14-15