Browsing Category

Videos

Trono da Graça

abril 3, 2020 0 comentários

Passagens bíblicas citadas neste vídeo: “Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna.” Hebreus 4:16

“De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam.” Hebreus 11:6

“Foram apedrejados, provados, serrados pelo meio, mortos a fio de espada; andaram peregrinos, vestidos de peles de ovelhas e de cabras, necessitados, afligidos, maltratados (homens dos quais o mundo não era digno)” Hebreus 11:37,38

“olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus.” Hebreus 12:2

“Mas o Senhor me assistiu e me revestiu de forças, para que, por meu intermédio, a pregação fosse plenamente cumprida, e todos os gentios a ouvissem; e fui libertado da boca do leão. O Senhor me livrará também de toda obra maligna e me levará salvo para o seu reino celestial” 2 Timóteo 4:17,18

 

Quarentena

março 27, 2020 0 comentários

Passagens bíblicas citadas neste vídeo:

“esta é a interpretação, ó rei, e este é o decreto do Altíssimo, que virá contra o rei, meu senhor: serás expulso de entre os homens, e a tua morada será com os animais do campo, e dar-te-ão a comer ervas como aos bois, e serás molhado do orvalho do céu; e passar-se-ão sete tempos por cima de ti, até que conheças que o Altíssimo tem domínio sobre o reino dos homens e o dá a quem quer. Quanto ao que foi dito, que se deixasse a cepa da árvore com as suas raízes, o teu reino tornará a ser teu, depois que tiveres conhecido que o céu domina. ” Daniel 4:24-26

“Mas ao fim daqueles dias, eu, Nabucodonosor, levantei os olhos ao céu, tornou-me a vir o entendimento, e eu bendisse o Altíssimo, e louvei, e glorifiquei ao que vive para sempre, cujo domínio é sempiterno, e cujo reino é de geração em geração. Todos os moradores da terra são por ele reputados em nada; e, segundo a sua vontade, ele opera com o exército do céu e os moradores da terra; não há quem lhe possa deter a mão, nem lhe dizer: Que fazes? ” Daniel 4:34,35

Direitos e Deveres

março 19, 2020 0 comentários

” Chamando–os, ordenaram-lhes que absolutamente não falassem nem ensinassem em o nome de Jesus. Mas Pedro e João lhes responderam: Julgai se é justo diante de Deus ouvir-vos antes a vós outros do que a Deus.” At 4: 18 – 19

 

Em muitas situações dentro do nosso convívio entre os irmãos percebo uma certa confusão no entendimento bíblico sobre o nosso procedimento diante de várias situações. Quando e como devemos aplicar a disciplina corporativa? Será que isso é falta de amor? Não raro alguém lê o texto de Filipenses 2:5 onde se diz que devemos ser como o Senhor Jesus que abriu mão dos seus direitos e se esvaziou assumindo a forma de um servo… ou quando Paulo diz aos coríntios: “por que não sofreis antes a injustiça? por que não sofreis antes o dano? Mas vós mesmos fazeis a injustiça e fazeis o dano, e isto aos próprios irmãos.” I Co 6: 7,8. Mas no capítulo anterior do mesmo livro de Coríntios Paulo ordena – em nome do Senhor Jesus – entregar uma pessoa a Satanás e adverte dizendo: “expulsai do vosso meio o malfeitor” 5: 13.  Essa aparente contradição também pode ser vista na  história do Senhor Jesus … como entender a violenta reação dele no templo expulsando os comerciantes de lá? Ou quando ele é duro na condenação daqueles que desprezavam a salvação de Deus. Repare no testemunho que os herodianos deram dele em Mt 22: 16 “Mestre, sabemos que és verdadeiro e que ensinas o caminho de Deus, de acordo com a verdade, sem te importares com quem quer que seja“. Será que o Senhor era político, fazia vista grossa ou bajulador de pessoas? Qual é o equilíbrio ou como conciliar atitudes aparentemente antagônicas? 

 

Me parece que a chave é a seguinte: tudo o que envolve os meus direitos pessoais, meu nome, honra ou posição eu, voluntariamente e por amor, abro mão. Mas tudo o que diz respeito aos direitos de Deus eu os sustento. Por que? Porque não são meus direitos mas sim de Deus! O Senhor Jesus abriu mão dos seus direitos  porém ele jamais abriu mão dos direitos e do testemunho do seu Pai. Essa é a resposta que lemos dos apóstolos quando as autoridades ordenaram que eles parassem de pregar a Cristo. Pedro respondeu: “antes importa obedecer a Deus do que aos homens” At 5: 29. É nosso dever não abrir mão dos direitos de Deus.

 

Infelizmente, muitas vezes temos invertido essas premissas. Abrimos mão dos direitos de Deus, somos coniventes com o pecado público, sustentado e não confesso em nome da unidade. Relativizarmos nossa obediência aos mandamentos bíblicos. Ofendemos a santidade e o testemunho de Deus para não ofendermos aos homens. Mas, paradoxalmente, quando alguém pisa no nosso pé, quando entendemos que fomos ofendidos, então nos separamos, dividimos e declaramos guerra contra o nosso próximo.

Essas duas reações são dois lados da mesma moeda de uma mentalidade carnal e humana. E, qualquer ambiente em que os direitos de Deus são desrespeitados enquanto os direitos dos homens são mantidos uma confusão espiritual será rapidamente estabelecida. 

 

O Senhor Jesus já nos advertiu em Lc 6: 26 : “ai de vós quando todos vos louvarem! porque assim procederam seus pais com os falsos profetas”. Vida cristã exige de nós posicionamento claro em favor dos interesses de Deus e isso muitas vezes nos levará a uma inevitável separação como o Senhor também profetizou dizendo: ” não penseis que vim trazer paz à terra, não vim trazer paz, mas espada. Pois vim causar divisão entre o homem e seu pai; entre filhos e sua mãe e entre a nora e sua sogra.” Mt 10: 34 .

 

A minha oração é que o Senhor me dê do Seu espírito para que, com toda a mansidão e humildade, eu me esvazie de todos os meus direitos mas que Ele também me dê da sua firmeza e poder para que eu jamais venha abrir mão dos direitos de Deus. 

 

“Porventura procuro eu agora o favor dos homens ou o de Deus? ou procuro agradar a homens? Se agradasse ainda a homens, não seria servo de Cristo.” Gl 1: 10

 

Folhas de figueira

março 5, 2020 0 comentários

Cedo de manhã, ao voltar para a cidade, teve fome; e, vendo uma figueira à beira do caminho, aproximou-se dela; e, não tendo achado senão folhas, disse-lhe: Nunca mais nasça fruto de ti! E a figueira secou imediatamente. Vendo isto os discípulos, admiraram-se e exclamaram: Como secou depressa a figueira! ” Mt 21: 18 – 20 

Essa é uma daquelas passagens duras que nos parecem não fazer conexão com a vida e a obra de nosso Senhor Jesus. Por que o Senhor amaldiçoou aquela figueira à beira da estrada? Será que ele era apaixonado por figos ou estava tão desesperado de fome? Será que Ele teve um ataque de chilique após ficar frustrado por não encontrar naquela árvore nenhum fruto mas apenas folhas?

De algumas aplicações que podemos aprender. Penso que existe uma lição MUITO importante que o Espírito Santo de Deus quer nos ensinar. Quando lemos sobre folhas de figueira nos lembramos de uma outra passagem da bíblia. Está  lá no início da história da humanidade … quando Adão e Eva transgrediram as ordenanças de Deus. Em Gn 3: 7 – Abriram-se, então, os olhos de ambos; e, percebendo que estavam nus, coseram folhas de figueira e fizeram cintas para si.”  Um pouco mais pra frente, ficamos sabendo que  essa tentativa humana de esconder a sua nudez e se apresentar diante de Deus não foi aceita por Ele … no versículo 21 se diz: ” “Fez o Senhor Deus vestimenta de peles para Adão e sua mulher e os vestiu.” 

Jamais um homem, imperfeito, pecador e terreno poderá produzir, pelo seu próprio esforço, qualquer obra que consiga se justificar diante de um Deus perfeito, justo e eterno.  E essa sentença diferencia a espiritualidade cristã de qualquer outra proposta de relacionamento com Deus. Enquanto outras religiões colocam o homem como o protagonista da sua própria salvação,  o evangelho diz que o homem é incapaz de se salvar não importa quais ou quantas obras ele o faça. Essa situação também serviu como um sinal contra os judeus da época: um povo acostumado com cerimônias, festas, dias, cultos e sacrifícios …. porém nada disso poderia satisfazer a justiça de Deus. São apenas folhas de figueira que não podem apresentar o homem de forma digna diante daquele que é santo santo santo. O Senhor Jesus, como Messias, deixou isso claro ao profetizar que uma vida sem o fruto produzido pelo Espírito secará até a morte.

Para um religioso que está tentando, com muito esforço e suor, tampar a sua vergonha com obras e trabalho humano essa é uma  notícia que o perturba e pode até mesmo o entristecer. Mas para pecadores miseráveis e inúteis como eu essa é uma linda e perfeita boa nova de salvação e esperança. 

A minha justiça e dignidade não é baseada nas obras que eu realizo mas na obra que Deus realizou  por mim. 

” Regozijar-me-ei muito no Senhor, a minha alma se alegra no meu Deus; porque me cobriu de vestes de salvação e me envolveu com o manto de justiça” Isaías 61:10 

 

No passo dos meninos

fevereiro 27, 2020 0 comentários

” e, assim, habite Cristo no vosso coração, pela fé, estando vós arraigados e alicerçados em amor, a fim de poderdes compreender, com todos os santos, qual é a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade e conhecer o amor de Cristo, que excede todo entendimento, para que sejais tomados de toda a plenitude de Deus.” Efésios 3: 17 – 19 

Essa é uma de algumas das orações de Paulo registradas na bíblia pelo Espírito Santo. É um privilégio termos esses registros para entendermos o que levava os grandes homens de Deus  a dirigirem seus pedidos a Deus em favor dos seus irmãos. Aqui Paulo diz que se colocava de joelhos diante do Pai fazendo um pedido muito especial em favor dos Efésios. Ele orava para que os seus irmãos pudessem compreender e conhecer, com todos os santos, o amor de Cristo. E essa expressão, com todos os santos, com o tempo foi se tornando uma chave de fé importante pra mim. 

Viver unido com outros irmãos não é um fenômeno social é um milagre espiritual. Porque na experiência da comunidade enquanto lidamos com pessoas que empilham vários doutorados  outras pessoas não sabem sequer ler. Convivemos com pessoas de muitos recursos e posses e outras que quase nada tem. Pessoas extrovertidas, Pessoas tímidas. Pessoas que foram amadas e bem criadas por seus pais enquanto outras pessoas sequer sabem o nome do seu pai. E todas essas pessoas, de diferentes origens, raças e costumes, agora estão juntas, ligadas e unidas por uma só fé. Todas se perceberam compradas pelo sangue de Cristo e o confessam como o seu Senhor. 

É natural que desencontros, brigas, decepções, frustrações aconteçam dentro da nossa experiência de igreja. Mas me parece que existe um ponto que precisa ser inegociável no nosso entendimento: nós devemos prosseguir juntos – com todos os santos. A vida cristã não se vive isolada ou fazendo escolhas seletivas dentro da irmandade. A vida cristã se vive coletivamente aceitando, com alegria, a honra de servir e ser servido por outros peregrinos que estão trilhando o mesmo caminho em direção ao lar eterno.

Você se lembra quando Jacó se reencontrou com o seu irmão Esaú. Ele disse ao seu irmão quando eles iniciaram uma caminhada em Gn 33: 13 – 14:  “Meu senhor sabe que estes meninos são tenros, e tenho comigo ovelhas e vacas de leite; se forçadas a caminhar demais um só dia, morrerão todos os rebanhos. Passe meu senhor adiante de seu servo; eu seguirei guiando-as pouco a pouco, no passo do gado que me vai à frente e no passo dos meninos, até chegar a meu senhor, em Seir.”

A velocidade da nossa jornada comunitária não é ditada pelos mais rápidos ou mais fortes mas se dá pelo passo dos meninos. Não abandonamos o rebanho para que ele seja devorado pelos lobos, antes, pelo contrário,  prosseguimos sempre juntos nos protegendo e nos abençoando mutuamente. E, através desse exercício de se importar com o próximo, o Senhor vai destruindo nosso egoísmo, ambições e pretensões e vai produzindo paciência, longanimidade e humildade. Vamos descobrindo que o mais importante  da nossa jornada são as pessoas que fazem parte dela. 

E, é justamente neste ponto, que me parece existir um segredo espiritual onde Paulo investiu a sua oração aos efésios: algumas facetas do amor de Cristo só serão compreendidas  quando nos dispomos a andar em unidade com os irmãos. E andando dessa forma seremos tomados de toda a plenitude de Deus … Será que Paulo se empolgou com as palavras? TODA a PLENITUDE de DEUS!! Será que pessoas como eu podem alcançar  tal privilégio? Será que tal realidade não é uma situação infinitamente impossível para nós?

Não, Paulo sabia exatamente o que estava falando … porque assim ele termina a sua oração: 

“Ora, àquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos, conforme o seu poder que opera em nós, a ele seja a glória, na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo o sempre. Amém! Efésios 3: 20 – 21

 

Idolatria Cristã

fevereiro 13, 2020 0 comentários

“ Removeu os altos, quebrou as colunas e deitou abaixo o poste-ídolo; e fez em pedaços a serpente de bronze que Moisés fizera, porque até àquele dia os filhos de Israel lhe queimavam incenso e lhe chamavam Neustã.” II Rs 18:4

 

Conhecemos a história de quando o Senhor Deus ordenou Moisés levantar uma serpente de bronze no deserto, para que todo aquele tivesse sido envenenado pelas  picadas de serpentes fosse sarado. Claro que associamos essa passagem como uma figura que apontava para a obra do Senhor Jesus. O Deus que se fez carne e que foi reconhecido em figura humana foi levantado da terra para que  toda a humanidade pudesse ser curada do veneno do pecado. É isso que o próprio Senhor diz em uma das passagens mais conhecidas de toda a bíblia: “e do modo porque Moisés levantou a serpente no deserto, importa que o filho do homem seja levantado para que todo aquele que nele crê tenha a vida eterna. Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. “ João 3: 14 – 16

 

E é diante desse contexto que chegamos nessa curiosa passagem de II Reis, onde ficamos sabendo que os filhos de Israel passaram a queimar incenso e a adorar a serpente de bronze. Mas, quando o Rei Ezequias iniciou um avivamento espiritual, ele condenou essa prática. E da mesma forma que ele destruiu o poste-ídolo e os altos, ele também destruiu a serpente de bronze.

 

Uma dúvida que talvez alguém possa ter é a seguinte: se a serpente de bronze é uma figura de Cristo – porque Deus condenou o seu culto e adoração? Como podemos entender o significado dessa situação em que a Serpente foi destruída? 

 

Para tentar responder essa pergunta, penso que precisamos entender como funciona a mecânica fundamental das religiões. Imagine uma pessoa que deseja se relacionar com uma entidade. Naturalmente, essa pessoa vai buscar compreender quais são os ritos e cultos que ela precisa prestar para receber o bem ou, em muitos casos, para não receber o mal de quem ela entrega a sua devoção. Então ela vai até um templo, um monte, uma encruzilhada ou um terreiro e presta suas oferendas, realiza seus sacrifícios e faz seus votos. Mas, perceba, a entidade fica lá e a pessoa fica aqui. É a pessoa que define e escolhe quando ir até o local considerado sagrado para consultar ou adorar essa tal divindade. Sendo assim, o homem sempre continua no centro decidindo os meios, a forma e os critérios em que ele estabelece o contato com a dimensão espiritual.

 

Me parece que tal prática pode acontecer na nossa experiência com Cristo. Nós vamos até um local, achamos que o Senhor Jesus estava ali a semana inteira, nos esperando, ansioso para ouvir nossas músicas e receber nossas ofertas e assistir nossa performance. Depois, então, vamos embora desse local e o deixamos ali sozinho aguardando o nosso próximo culto. Fazendo assim, o reduzimos a um ídolo. Usado e acionado por nós quando desejamos e, na maior parte do tempo, ele está muito distante do nosso cotidiano e do nosso coração. Assim como aconteceu com Israel, de vez em quando queimamos incenso a ele nos lembrando de alguma coisa boa que Ele fez por nós, lá atrás,  em um passado muito distante.

 

O único Deus Eterno e Real aquele que criou e sustenta todas as coisas pela palavra do Seu poder jamais aceitará tal relação. Deus não está ali e eu aqui. Deus não habita em nenhuma casa feita por mãos humanas. Mas Deus habita dentro de nós por meio do seu Espírito Santo. E agora estamos unidos em Cristo para sempre. Ele é Deus, Ele é o centro e não o homem. Não é Ele que existe para me servir, sou eu que existo para serví-lo. Não é Ele que está à minha disposição sou eu quem estou à disposição Dele. Sendo assim, é o Senhor Jesus  quem me aciona e me usa conforme a sua perfeita vontade. E ele deixou isso absolutamente claro, não fez nenhum rodeio, quando disse em Lucas 14:26 : “Se alguém deseja seguir-me e ama a seu pai, sua mãe, sua esposa, seus filhos, seus irmãos e irmãs, e até mesmo a sua própria vida mais do que a mim, não pode ser meu discípulo.”  

 

Quando somos reavivados pelo poder de Deus todos os ídolos são destruídos – até mesmo aqueles que aparentam nos levar ao próprio Deus. Isso porque Vida cristã não  é uma vida aprimorada por meio de práticas religiosas. É uma vida substituída onde o próprio Senhor Jesus vive em mim e eu vivo por meio Dele. 

 

” Nisto se manifestou o amor de Deus em nós: em haver Deus enviado o seu Filho unigênito ao mundo, para vivermos por meio dele.” I João 4:9

 

Tanques

fevereiro 6, 2020 0 comentários

” Passadas estas coisas, havia uma festa dos judeus, e Jesus subiu para Jerusalém. Ora, existe ali, junto à Porta das Ovelhas, um tanque, chamado em hebraico Betesda, o qual tem cinco pavilhões. Nestes, jazia uma multidão de enfermos, cegos, coxos, paralíticos [esperando que se movesse a água. Porquanto um anjo descia em certo tempo, agitando-a; e o primeiro que entrava no tanque, uma vez agitada a água, sarava de qualquer doença que tivesse]. Estava ali um homem enfermo havia trinta e oito anos. Jesus, vendo-o deitado e sabendo que estava assim há muito tempo, perguntou-lhe: Queres ser curado? Respondeu-lhe o enfermo: Senhor, não tenho ninguém que me ponha no tanque, quando a água é agitada; pois, enquanto eu vou, desce outro antes de mim. Então, lhe disse Jesus: Levanta-te, toma o teu leito e anda. Imediatamente, o homem se viu curado e, tomando o leito, pôs-se a andar. E aquele dia era sábado. João 5: 1 – 9

Lemos a história de um coxo que por, 38 anos, ficou paralisado ao lado de um tanque esperando acontecer dois milagres. O 1º era a descida de um anjo que movia as águas desse  tanque chamado Betesda e que, periodicamente, curava a primeira pessoa que entrava nele. Então chegamos ao 2º milagre, e provavelmente muito mais difícil do que o 1º, que era fazer com que esse  coxo fosse o felizardo a entrar no tanque… tantos anos se passaram que esse coxo fixou toda a sua atenção no tanque. Ele pensava: ” O que eu preciso é do tanque, a solução para a minha vida está naquele tanque.” Repare no diálogo dele com o Senhor Jesus …  quando o dono do tanque e o Senhor do anjo que descia naquelas águas lhe perguntou: queres ser curado? a resposta do coxo mostra sua obstinação: o que eu quero é que alguém me coloque no tanque… 

Agora, o que está por detrás dessa história? Em deuteronômio 2:14 se diz:  ” foram trinta e oito anos, até que toda aquela geração dos homens de guerra se consumiu do meio do arraial, como o Senhor lhes jurara”. Dt 2:14  No velho testamento também lemos como que o povo de Israel ficou 38 anos rodando no deserto por causa da sua incredulidade.  É como se o Espírito Santo estivesse nos levando a considerar uma importante lição: quando não cremos em Deus, e quando Ele mesmo deixa de ser nosso objetivo então nos paralisamos. Paramos de andar,  de prosseguir e entramos em um deserto de alma, de propósito de vida.

O risco que corremos é constante e real. Passamos a colocar nossa atenção na cura, no emprego, nos filhos, no ministério como se fossem os tanques que irão dar sentido à nossa vida e  tiramos os olhos do Senhor Jesus que pode e deseja nos oferecer tudo o que precisamos.

Quando invertemos a ordem, isto é, quando depositamos nossa confiança e esperança  em qualquer coisa que não seja a própria pessoa do nosso amado Senhor então nos paralisamos. Ficamos murmurando e dando voltas em um deserto de fé que nos levará a uma morte espiritual. 

Naquele dia,  após 38 anos de luta, o coxo foi curado. Levantou-se tomou o seu leito e voltou a andar. E o apóstolo João termina a história com essa linda informação: e aquele dia era sábado. O shabat de Deus, o seu verdadeiro descanso não está em tanques, está no Seu Filho. E é  esse o convite de fé que o Senhor Jesus faz pra mim para você hoje: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei.” 

Não sei você… mas eu fico pensando naquele coxo voltando para sua casa. Fico imaginando seus vizinhos perplexos com a cena, olhando pela janela duvidando do que seus olhos testemunharam . Fico imaginando ele entrando em sua casa, sendo abraçado por seus familiares e celebrando o tão desejado descanso. E quando alguém o pergunta: “finalmente conseguiu entrar no tanque?” esse coxo então teria respondido …  não nada disso, eu não precisei de nenhum tanque, eu conheci o Messias, olhei para Ele, Ele falou comigo e a minha história foi transformada. 

Então, eles, levantando os olhos, a ninguém viram, senão Jesus. Mateus 17:8 

 

Nas profundezas de Deus

janeiro 30, 2020 0 comentários

” Porque morreste, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo em Deus” Cl 3:3

O menino estava eufórico. Com quase oito anos de vida seria a primeira vez que veria o mar. Após uma longa viagem ele mal pode esperar. Assim que o pai parou o carro o garoto saiu correndo subindo uma pequena duna. Quando chegou ao topo pode ver aquele marzão que se perdia e se misturava no horizonte. Ficou ouvindo o barulho das ondas , pegou em suas mãos um punhado de areia fina e branca da praia e sentiu em seu rosto a brisa diferente do litoral… Quando olhou ao lado reparou um senhor, já idoso, tirando do seu barco uma rede com peixes. Ele passou toda a sua vida trabalhando por lá, sua família era de pescadores, profissão que herdou de seu pai. Conhecia tudo das correntes marítimas, marés e perigos da região, afinal de contas, dependia do mar para sustentar a sua casa. Usava um chapéu que tentava protegê-lo do sol que por anos castigou a sua pele. Estava pacientemente colocando os peixes que havia pescado dentro de um balde. Aquele garoto, então,  desceu correndo a duna e disse ao pescador: “olá, você sabia que eu conheço o mar?” Aquele senhor olhando nos seus olhos, abriu um largo sorriso e disse: “olá amiguinho, fico feliz em saber disso…pois no meu caso, eu ainda estou o conhecendo.”

 

Essa história me fala muito ao coração quando eu penso no convite Divino em se relacionar comigo. Que tipo de experiência eu tenho tido com o Senhor Deus? Será que é uma experiência limitada por alguns momentos especiais, cultos dominicais e uma lista de mandamentos que eu me esforço em obedecer ou é uma profunda e verdadeira experiência de imersão onde todos os meus sentidos, valores e vontades estão sendo transformadas por uma realidade que me envolve completamente? 

 

Assim como o garotinho da nossa história, será que estou satisfeito com a forma que tenho me consagrado ao Senhor, a forma como eu tenho me dedicado às coisas espirituais? Será que eu tenho conhecido as coisas profundas de Deus? Ou como é próprio da meninice, eu tenho apenas uma pequena noção de toda a realidade eterna, invisível e espiritual que me cerca. Será que saio por aí dizendo às pessoas que conheço a Deus, orgulhoso do meu nível de conhecimento bíblico sem contudo desejar desesperadamente um avivamento urgente e necessário na minha história?

 

Eu e você podemos dizer: “eu conheço a Deus” mas a forma como nos relacionamos com o Senhor Deus pode ser completamente diferente. Para alguns Deus se limita a um estilo de vida, uma filosofia, ritos religiosos ou até mesmo uma agenda social. Para outros, porém, Deus torna-se seu tudo: Ele é o seu ambiente, seu ar, sua comida e bebida,Sua paixão, seu anelo, sua esperança e o seu melhor pensamento.. Seu amigo, conselheiro, mestre, consolador, pastor e pai. Seu centro, refúgio, habitação e descanso. Sendo assim, Deus se torna o que Ele deve ser… Deus. Aquele que se assenta no trono do nosso coração. Aquele por quem existimos e o único a quem adoramos. Aquele que nos dá propósito de vida, estabelece e aponta a direção. Penso que seja esse o encorajamento de Paulo aos Colossenses… ele diz … vocês morreram para uma vida meramente humana, isso não existe mais. Vocês agora estão ligados em Cristo e essa nova vida se dá e se vive em Deus. 

 

Brennan Manning certa vez escreveu: Deus não terá importância nenhuma na sua vida se ele não tiver importância absoluta. E eu concordo com ele. Se Deus não for Deus então Ele não assumirá seu lugar de direito como nosso criador e como o nosso redentor. E da  mesma forma, também não tomaremos posse do nosso privilégio de vivermos como filhos benditos do altíssimo.  

 

” Conheçamos e Prossigamos em conhecer ao Senhor; como a alva sua vinda é certa. E ele descerá sobre nós como a chuva serôdia que rega toda a terra.” Oséias 6: 3 

Eu Sou

janeiro 23, 2020 0 comentários

“Disse Moisés a Deus; Eis que quando eu vier aos filhos de Israel e lhes disser: O Deus de vossos pais me enviou a vós outros; e eles me perguntarem: Qual é o seu nome? Que lhes direi? Disse Deus a Moisés: Eu Sou o que Sou. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: Eu Sou me enviou a vós outros.” Êxodo 3: 13 – 14

 

Como você imagina a Deus? Como ele é? Qual será a sua aparência? Se veio a sua mente a  imagem de um homem musculoso de cabelos grisalhos e longa barba branca é devido a influência de Michelangelo e sua famosa pintura da Capela Sistina que tem influenciado a cultura cristã por séculos. Mas essa nunca foi um desejo de Deus. Na verdade, essa é uma importante preocupação divina ao longo do seu relacionamento com a humanidade. Porque ele sabe do perigo de tentarmos delimitar ou definir àquele que é Eterno e Infinito.

 

Por isso que no velho testamento o Senhor proibiu terminantemente o seu povo de fazer imagens de escultura já sabendo da tentação de imitar o estilo de adoração dos povos pagãos ao seu redor. É por isso também que não temos nenhum registro da aparência física do Senhor Jesus nas quatro biografias bíblicas sobre a sua história. O Senhor Deus sabe que ao defini´-lo nós o diminuímos. 

 

Assim como Moisés, muitas vezes perguntamos para Ele, quem é o Senhor? Seria muito mais fácil para o homem natural a escultura , a definição  que delineia a sua imagem. Mas veja a resposta que Ele deu … diga que o “Eu Sou te enviou”. Isso porque na nossa jornada o Senhor Deus deseja se revelar como a resposta para todas as nossas necessidades. Então quando precisamos de paz , Ele se revela como  o EU Sou a sua Paz – Jeová Shalom. Quando passamos por privações Ele se revela como EU Sou o que te provê – Jeová Jiré. Quando estamos enfermos ele diz Eu Sou quem te cura – Jeová Rafa. Quando você se sentir sozinho Ele diz Eu Sou estou aqui – Jeová Shamá. 

 

Glórias a Deus por isso. Ele é grande e maravilhoso demais para se esgotar dentro dos meus pensamentos. Não tenho dúvida que a eternidade inteira não será suficiente para conhecê-lo. 

 

E, dessa forma,  vivemos de fé em fé … permitindo que o Senhor Deus se revele e se manifeste a cada dia dentro das nossa vida. Tal vida e relação não se explica ou se transfere hereditariamente. Ela é experimentada no nosso espírito quando testemunhamos e vivenciamos que Deus simplesmente É. E assim como o Sol, não podemos olhar diretamente para Ele mas sem a sua luz não podemos enxergar coisa alguma. 

 

Na nossa peregrinação essa revelação precisa aumentar em densidade e significado dentro de nós..  O grande Eu Sou é 3 em 1 e um 1 em mim.

 

“Acaso não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo que está em vós, o qual tendes da parte de Deus e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por preço.” I Co 6: 19,20

 

Agenda

janeiro 2, 2020 0 comentários

‘Quem guiou o Espírito do Senhor? ou, como o seu conselheiro o ensinou? Com quem tomou Ele conselho, para que lhe desse compreensão? Quem o instruiu na vereda do juízo e lhe ensinou sabedoria e lhe mostrou o caminho do entendimento?” Isaías 40: 13,14

 

Conta-se a história de que, durante a guerra de secessão norte-americana, quando um General trouxe más notícias sobre a frente de batalha ao então presidente Abraham Lincoln, esse general teria dito: “espero que Deus esteja no nosso lado” ao que Lincoln respondeu: ” desejo errado, eu espero que nós estejamos ao lado de Deus”. 

 

Isso pode parecer apenas um jogo de palavras .. mas desejar que Deus esteja ao nosso lado abençoando nossas intenções, desejos e programas é completamente diferente de desejarmos estar ao lado de Deus entendendo as Sua intenções, os Seus desejos e o Seu programa para nós. 

 

Olhando para o meu estilo de vida, posso constatar que,  muitas vezes, em muitas situações, eu nem sequer pergunto ao Senhor a sua opinião sobre um assunto. Eu simplesmente vou fazendo, andando e decidindo por minha conta. Claro que, como bom cristão que sou, vou orando e pedindo para que Deus corra atrás de mim garantindo que tudo me vá bem.  

 

Mas, pare para pensar um pouco … veja se isso não é uma completa loucura.  Será que O Eterno àquele que nunca foi aconselhado por ninguém, não tenha uma direção, opinião ou desejo para qualquer situação da minha vida?  Será que existe alguma situação que se você pedir direção ao Senhor Ele dirá: “nossa que pergunta difícil, eu não sei o que te aconselhar, faça o que você achar melhor, com certeza você é mais sábio e entendido do que Eu nessa área”.  

 

Estamos começando mais um ano, nossa agenda de 2020 está novinha, com as folhas ainda em branco para serem preenchidas pelo tempo e dias que virão sobre nós.  Eu não sei o que me espera em 2020 não consigo nem garantir que chegarei ao final do ano escrevendo minha história na página do dia 31/12… Mas uma coisa eu sei: o Senhor Deus tem a sua agenda para mim. Ele deseja escrever a Sua história em cada página do meu ano. Quer ser o meu conselheiro, meu protetor o meu guia e consolador. Ele deseja crescer em importância e presença em todos os aspectos da minha existência. 

 

Sendo assim… a minha oração para 2020 é que eu possa ter um coração ensinável, olhos que vêem e ouvidos que escutam. Que eu tenha a coragem de perguntar ao meu Senhor qual é a agenda Dele para mim e que eu tenha a firmeza necessária para jogar a minha agenda fora e me submeter, com alegria e submissão, à Sua perfeita vontade.

 

” E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus” Rm 12:2