Browsing Category

Perseverança

Maturidade

dezembro 5, 2019 0 comentários

“Pois com efeito, quando devíeis ser mestres,atendendo ao tempo decorrido,tendes necessidade de alguém que vos ensine de novo quais são os princípios elementares dos oráculos de Deus, assim vos tornastes como necessitados de leite, e não de alimento sólido. Ora, todo aquele que se alimenta de leite, é inexperiente na palavra da justiça, porque é criança. Mas o alimento sólido é para os adultos, para aqueles que, pela prática, têm a as suas faculdades exercitadas para discernir não somente o bem mas também o mal. “ Hb 5:12 – 14

 

Recentemente, na empresa que trabalho teve o dia da saúde … então todos nós fizemos alguns exames. Um deles é o exame chamado de bioimpedância que diz, baseado em algumas análises,  qual é a idade do corpo da pesssoa.O resultado não me surpreendeu, o meu corpo está 8 anos mais velho do que a minha idade biológica, ou seja, eu não estou cuidando do meu corpo de forma adequada e ele está sofrendo os efeitos do meu sedentarismo e maus hábitos.

 

Claro que fiquei pensando na aplicação dessa situação para a minha idade espiritual. Isso porque a minha idade espiritual não necessariamente acompanha a minha idade de conversão. Então eu posso ter 30 anos de conversão mas ter 5 anos de idade espiritual.

 

Como o Senhor disse a Nicodemos, um dia nascemos de novo para Deus, e nos percebemos como crianças recém nascidas desejosas e necessitadas do genuíno leite espiritual (I Pe 2:1). Descobrimos um mundo novo, passamos a entender o que está por detrás das coisas, ao avançar no entendimento ficamos sabendo que, de fato, são os agentes da dimensão espiritual que dirigem e governam a dimensão física de matéria. Então começamos aprender a orar. Exercitamos a nossa fé em conhecer cada vez mais ao próprio Deus, o pai de nosso Senhor Jesus Cristo, por meio do Espírito Santo que Ele mesmo enviou para habitar dentro de nós. E, vamos crescendo e ganhando entendimento das coisas espirituais e como Hebreus testemunha de Moises, permanecemos firmes como quem vê aquele que é invisível (hb 11:27).

 

O que o escritor de hebreus define como um sinal de maturidade está justamente no fato de que um adulto tem a capacidade de discernir as questões de maneira espiritual. Isso não cai do céu ou vem automaticamente, essa capacidade de enxergar as situações pela perspectiva divina cresce e aumenta em nós pela prática, ao exercitarmos a nossa faculdade para discernir o bem e o mal em todo o momento.

 

O que caracteriza a meninice é o materialismo. É olharmos as coisas na perspectiva terrena e humana. Esquecemos que a nossa herança está nos céus (I Pe 1:4) e investimos a nossa energia em acumular tesouros na terra. Esquecemos que somos peregrinos e aguardamos a pátria celestial (Fp 3:20) e fincamos nossas raízes neste mundo. Esquecemos que o Senhor já nos tem abençoado com toda sorte de bençãos espirituais nas regiões celestiais (Ef 1:3) e não tomamos posse porque estamos focados nas bençãos materiais. Esquecemos que a nossa luta não é contra sangue e carne  mas sim contra principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes (Ef 6:12) e passamos a brigar e lutar com a esposa, o filho e os irmãos. É o que Paulo diz na lata aos corintios: “Eu porém irmãos não vos pude falar como a espirituais; e sim como a carnais, como a crianças em Cristo. Leite vos dei a beber, não vos dei alimento sólido; porque ainda não podíeis suportá-lo. Nem ainda agora o podeis, porque ainda sois carnais.””I Co 3:1 – 2

 

E assim como acontece no mundo físico, uma criança espiritual não tem tamanho nem força para lutar as guerras do Senhor. A sua carnalidade a leva sempre a correr atrás de brinquedinhos espirituais e do leitinho para o dia mas ela não tem a capacidade de absorver a energia proveniente do alimento sólido que a fortalece para a batalha. 

 

Possa o Senhor renovar a nossa mente e nos livrar da paralisia do crescimento espiritual. Para que quando estivermos diante da presença Dele venhamos a nos apresentar como soldados que combateram o bom combate.

 

“Até que cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, a perfeita varonilidade à medida da estatura da plenitude de Cristo, para que não mais sejamos como meninos, agitados de um lado para o outro””Ef 4:13,14

 

Entropia

novembro 22, 2019 0 comentários

“”Não desanimamos, pelo contrário, mesmo que o nosso homem exterior se corrompa, contudo o nosso homem interior se renova de dia em dia. Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória, acima de toda comparação.””II Co 4:16,17

Vivemos em um grande sistema que está em profunda desordem. Podemos observar essa desordem nas coisas pequenas da vida: por ex: uma fruta tem seu ciclo de maturação e depois que arrancamos ela da árvore, rapidamente apodrece. O nosso corpo também está em constante desordem e degradação. É por isso que comemos, bebemos água e dormimos, para ajustar e regular o organismo, caso contrário o sistema entrará em falência. E ainda que você tenha o máximo de cuidado com o seu corpo, em algum momento, inevitavelmente,  ele entrará em colapso e uma desordem no seu organismo gerará a sua morte. Infelizmente também descobrimos que existe uma desordem no sistema social. Pessoas enlouquecem, se perdem para as drogas, prazeres e dinheiro. Como consequência dessas coisas, estamos cercados por sociopatas, estupradores, ladrões. Eles podem roubar, machucar e matar não apenas a nós mas àqueles que nós amamos. Sofremos diretamente com a desordem emocional dos outros e isso também gera desordens emocionais dentro de nós. 

O grau de desordem em um sistema é conhecido na literatura como Entropia. As empresas, relacionamentos, a saúde …todas as coisas tem um certo grau de entropia … de maneira de que, se nada for feito, tudo tende a desordem. 

Paulo percebeu essa desordem operando sobre ele quando ele diz que o meu homem exterior está em corrupção, em outra passagem também ao coríntios Paulo diz que dia a dia ele está morrendo … Isso porque ainda estamos inseridos em um mundo que jaz no maligno. A ideia de que problemas e desordens não sobrevém sobre os filhos de Deus é um pensamento que, mais cedo ou mais tarde, será confrontado com a entropia da vida. Mas, o que a Bíblia nos diz, é que apesar de toda a desordem externa, o Senhor Deus é poderoso e deseja produzir uma perfeita ordem dentro de nós. Paulo continua o texto dizendo: se por fora eu estou em corrupção por dentro tenho experimentado um renovo todos os dias. Se por fora existe desordem no meu espírito Deus tem ordenado todas as coisas. 

Pensando nisso me recordo da história de um missionário que estava viajando de navio quando ouviu o capitão do barco dizer: “estamos passando por um espesso nevoeiro em uma região com muitas rochas … se alguém aqui acredita em Deus, é um bom momento de pedir para que ele nos salve””. Então aquele missionário ajoelhou-se e pediu com sinceridade: “”Senhor tire as pedras do nosso caminho”. A viagem transcorreu bem eles chegaram ao destino sem nenhum problema. Quando ele voltava dessa viagem ao passar por aquela região novamente – agora em um lindo dia de sol e sem nenhuma neblina. Ele se lembrou da experiência passada e orou: “”Deus, muito obrigado porque naquele dia o Senhor tirou as pedras do caminho” no que ele entendeu o Senhor falando ao seu coração dizendo: “”Não meu filho, eu não tirei as pedras do caminho, eu elevei o nível das águas de maneira que vocês passaram por cima de todas as pedras.””

Eu não sei quais são os problemas, dores e desordens que ainda terei que passar durante a minha peregrinação nesta terra.  Eu não sei quais pedras estarão no meu caminho. Mas uma coisa eu tenho absoluta certeza, o Senhor Deus que também é o meu pai, estará sempre comigo. E Ele tem Graça superabundante para elevar o nível da minha fé e tem poder para, em qualquer situação, ordenar ordem , vida e paz para o meu homem interior.

“E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus””Fp 4:7

 

O bom depósito

outubro 24, 2019 0 comentários

“Mantém o padrão das sãs palavras que de mim ouviste com fé e com o amor que está em Cristo Jesus. Guarda o bom depósito, mediante o Espírito Santo que habita em nós” II Tm 1:13,14

Não sei como é a sua experiência de leitura bíblica mas, no meu caso, muitas e muitas vezes eu me obriguei a gastar um tempo lendo as escrituras. Não raro, após esse tempo eu tenho a sensação de que nada foi acrescentado. Parece que estou lendo um livro como de biologia ou história e não consigo sentir que estou diante da palavra eterna e perfeita de Deus. Dá uma sensação de que é um tempo de pouco proveito e sem nenhuma transformação no meu interior. E isso me leva  a um desânimo para agendar o meu próximo encontro com a bíblia. 

 

Na passagem que lemos, Paulo encoraja a Timóteo a guardar o bom depósito do conhecimento que ele obteve mediante a operação do  Espírito Santo. 

 

Isso porque o Espírito Santo que habita em nós é o administrador desse depósito. Ele revela, ilumina e nos ensina usando esse bom depósito no momento certo. Quanto mais depósito tivermos mais material o Espirito Santo terá para realizar o seu trabalho. Lembre-se quando o diabo tentou o Senhor Jesus no deserto, mencionou as escrituras dizendo “está escrito” mas o Senhor, que tinha o seu depósito,  prontamente rebateu dizendo “mas também está escrito”. Quanto mais ricamente habitar a palavra de Deus em nós mais protegidos estaremos das heresias que nos são oferecidas muitas vezes usando a própria biblia.

 

Agora, se existe o bom depósito é porque também existe o mau depósito. Pense por um minuto, se você depositar em sua mente o que o mundo oferece como por ex: erotismo, violência, ganância ou uma vida egoísta que tipo de material o Espirito Santissimo de Deus terá dentro de você para realizar o Seu precioso trabalho? Talvez seja isso que Paulo alerta aos Tessalonicenses: não apagueis o Espírito …  se entulhamos o poço com lixo como poderá fluir do nosso interior os rios de água viva? 

 

Conta-se a história de que um dia, um jovem cristão reclamou com um ancião de que ele lia a biblia mas tinha a sensação de que lhe era inútil. Aquele  irmão mais velho pegou então um balde abandonado no quintal que estava todo sujo, enlameado e todo furado e pediu para que o jovem corresse até uma fonte próxima dali e que o enchesse e  trouxesse o balde com água. O jovem estranhou o pedido uma vez que como o balde estava todo esburacado, a água escorreria por ele. Mas ele assim o fez, tentou correr o mais rápido possível mas sempre quando chegava  perto do ancião toda a água que ele havia colocado dentro do balde, já havia escoado. E assim o ancião pediu para que ele o fizesse algumas vezes. Até que ele perguntou: “você se sente como esse balde furado? você tem a sensação de que não consegue reter a palavra?” então o jovem disse: “sim irmão, me sinto exatamente dessa forma” no que o ancião respondeu: “mas olhe agora para o balde, ele está totalmente limpo.”

 

Muitas vezes eu invisto tempo em simplesmente ler a bíblia, conhecer as histórias e me familiarizar com os textos. Outras vezes fico o dia todo recitando algum versículo no esforço  de conseguir memorizá-lo.. Fazer isso pode parecer uma coisa mecânica e “pouco espiritual” mas quanto mais depósito da palavra de Deus eu guardar em meu coração maior e mais rico será o material que o Espírito Santo terá para fazer Sua obra em mim.

 

Não desanime irmão, tenha o bom e importante hábito de ler e meditar na bíblia todos os dias. Está na sua mão fazer o depósito e está nas mãos do Espírito Santo fazer a obra.

 

“Não cesses de falar deste livro da lei, antes medita nele de dia e de noite para que tenhas o cuidado de fazer segundo a tudo quanto nele está escrito; então farás prosperar o teu caminho e serás bem sucedido.” Josué 1:8

 

popstar

agosto 30, 2019 0 comentários

“Para isto se manifestou o Filho de Deus, para destruir as obras do Diabo” I João 3:8

O pai de um grande amigo meu de adolescência sofria de um estranho distúrbio. Acho que ele era médico hematologista que durante muitos anos trabalhou pesquisando e estudando sobre micróbios, bactérias, vírus e outros seres microscópicos que podem afetar a saúde humana. Porém, ao longo do tempo, ele desenvolveu uma fobia por sujeira e uma exagerada preocupação por limpeza tomou conta da sua vida. Ele passava mais de 10 horas por dia tomando banho. As tarefas normais do dia-a-dia como abrir uma porta, pegar um copo ou ligar uma TV ele só fazia usando luvas cirúrgicas. Parou de trabalhar e já não saia de casa. Todo o conhecimento adquirido voltou-se contra ele o fazendo escravo dos temores que ele mesmo pesquisava.

Tenho a mesma sensação quando vejo alguns cristãos falando tanto sobre o diabo e seus demônios. Batalha espiritual é um assunto instigante em que corações curiosos se inclinam com grande interesse. Livros são vendidos onde se relata com riqueza de detalhes sacrifícios macabros envolvendo vidas humanas. Outros se aventuram a traçar um mapa espiritual do Brasil detectando os principados de cada cidade ou estado do país. Sem perceberem, tratam o diabo como um popstar. Mas assim como aconteceu com o pai do meu amigo, muitas dessas pessoas são tomadas por um extremismo que os domina. Vêem o diabo por detrás das marcas de roupa, no pneu do carro quando fura e na lâmpada do quarto quando queima. Estão tão atentos ao diabo que esquecem do Senhor Jesus. Ficam preocupados com o derrotado e perdem a oportunidade de contemplarem o grande vencedor.

Com isso, não quero dizer que não existe um inimigo ou que não devemos “ignorar seus desígnios”( II co 2:7), porém a bíblia nos assegura que guerra já acabou. Satanás foi derrotado na cruz do calvário. O filho de Deus já ergueu sua voz proclamando: “Está consumado!” (Jo 19:30). A única coisa que a Igreja deve fazer com respeito ao diabo é permanecer firme: “Resisti-lhe (ao diabo) firmes na fé” (I Pe 5:9); “Revesti-vos de toda armadura de Deus para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo” (Ef 6:11) ou “Sujeitai-vos a Deus mas resisti ao diabo e ele fugirá de vós” (Tg 4:7).

Devo reconhecer que esse assunto ainda me atrai e que, muitas vezes, preciso buscar meus pensamentos que vagueiam em conjecturas sem propósito. A Palavra de Deus não nos encoraja a adentrarmos nesse terreno, muito menos em gastarmos tanto tempo pensando nas estratégias das trevas. É como aquela velha estória do agente da polícia federal especialista em detectar cédulas de dinheiro falsas. Um dia alguém perguntou: “Diante de tantos métodos de falsificação e tanto tipo de notas falsas que existem por aí, como você consegue perceber qual é a falsa?” Então ele respondeu: “É fácil. Eu conheço muito bem a nota verdadeira.”

Estejamos atentos. O Senhor Jesus é o nosso centro. Ele deve ocupar toda a nossa meditação. Ele é o motivo das nossas reuniões. O diabo já está julgado (Jo 16:11) não vamos dar crédito às suas tentativas de nos distrair com qualquer coisa que nos afaste do nosso Senhor. A obra de Cristo é tão completa e foi tão devastadora contra toda obra do diabo que a nossa principal tarefa nesta batalha é descansar no que já foi conquistado.

“para que pela sua morte (Cristo), destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo, e livrasse a todos que, pelo pavor da morte, estavam sujeitos à escravidão por toda a vida.” Hebreus 2:14-15

 

Morto-vivo

agosto 1, 2019 0 comentários

“Conheço as tuas obras, tens nome de que vives mas estás morto” AP 3: 1

No início deste ano, foi muito comentado e noticiado nos jornais aqui de BH a história de uma jovem de 17 anos que, após uma briga, matou sua avó, enrolou-a em um edredom vedou as frestas das janelas e da porta do quarto da avó e simplesmente a deixou lá. Quase 3 meses depois, um outro parente daquela senhora descobriu o ocorrido. No meu
caso, essa notícia terrível ganhou mais relevância porque isso aconteceu dentro do condomínio em que eu moro, há menos de 100 metros da minha casa.

Como era de se esperar, apesar de todas as tentativas de vedar o ambiente, um cheiro desagradável começou a ser sentido. Os vizinhos reclamavam com o sindico acreditando que poderia ser algum problema no esgoto ou algum lixo esquecido em alguma casa vazia…

Interessante que foram os vivos que perceberam o cheiro da morte. São os vivos que conseguem discernir e detectar as coisas podres e inadequadas. Isso me levou a fazer essa simples, porem importante reflexão: tenho percebido as coisas mortas da carne e do mundo? Caso essas coisas não me ofendam mais, caso eu esteja como que anestesiado
pela coisas mortas desse mundo é bem provável que eu esteja morto também. Talvez você se assuste com essa afirmação , achando ela um tanto radical. Mas vejamos alguns exemplos: No texto que lemos no inicio deste pensamento, o Senhor Jesus afirma claramente que a igreja em Sardes tinha um nome, um status de vida mas na verdade ela estava morta. Paulo diz das viúvas que, ao se entregarem aos prazeres, mesmo vivas estão mortas. Ele também encoraja aos ricos deste século a tomarem posse da verdadeira vida. Mesmo conselho que ele dá a Timoteo dizendo: “combate o bom combate da fé e toma posse da vida eterna para a qual também foste chamado”. Quando o filho pródigo volta para casa o seu pai afirma … “este filho estava morto e reviveu”.

Pode até ser que eu e você não pratiquemos os pecados listados por Paulo em Romanos capitulo 1 – coisas do dia a dia deste mundo como: malicia, avareza, difamação, insolência, desobediência aos pais ou soberba. Porém, o que deveria chamar nossa atenção, é que Paulo vai mais além, ele diz que existe uma sentença de morte não só para os que fazem
mas também os que aprovam os que assim procedem”. Cuidado, são os vivos que acham insuportável o cheiro da morte proveniente do pecado.

Esse talvez seja um importante teste para avaliarmos a saúde da nossa fé. O quanto as coisas desta geração geram em nós náuseas por causa de tanta injustiça, violência, promiscuidade, rebelião e devassidão. Qual é a medida ou qual a é intensidade do MARANATA VEM SENHOR JESUS dentro dos nossos corações?O quanto , de verdade, anelamos e oramos para que o nome do nosso Pai Celeste seja santificado e o Seu reino se manifeste entre os filhos dos homens?

É tempo de despertarmos do sono. De quebrarmos toda aliança com o mundo. De odiarmos tudo o que o Senhor odeia. De termos em mente que a amizade do mundo é inimiga de Deus. E assim, como novas criaturas que somos em Cristo testemunharmos das coisas santas do Reino de Deus.

“Desperta ó tu que dormes, levanta-te dentre os mortos e Cristo te iluminará. Portanto vede prudentemente como andais, não como néscios e, sim, como sábios, remindo o tempo porque os dias são maus. Por esta razão não vos torneis insensatos, mas procurai compreender qual a vontade do Senhor” Ef 5: 14 – 17

 

Pedradas

julho 5, 2019 0 comentários

“Ouvindo eles isto enfureceram-se nos seu corações e rilhavam os dentes contra ele. Mas, Estevão, cheio do Espírito Santo fitou os olhos no céu e viu a glória de Deus, e Jesus, que estava a sua direita. Eles porém, clamando em alta voz, taparam os ouvidos e unânimes arremeteram contra ele. E, lançando-o fora da cidade, o apedrejaram. Então, ajoelhando-se, Estevão clamou: Senhor, não lhes imputes este pecado. Com estas palavras adormeceu.” Atos 7: 54 

Estevão foi um dos sete homens de boa reputação, cheios do Espírito e de sabedoria que foram escolhidos pela igreja para servirem às viúvas helenistas. Ele é o 1o nome mencionado na lista e o único que o escritor acrescenta a expressão “homem cheio de fé e do Espírito Santo”. Poucos versículos à frente é mencionado novamente “Estevão, cheio de graça e poder fazia prodígios e grandes sinais entre o povo”. Quando alguns da sinagoga tentaram discutir com ele não puderam sobrepor-se à sabedoria e ao Espírito com que Estevão falava. Então eles subornaram homens para darem falso testemunho e o levaram para o tribunal judaico. Lucas volta a dizer que todos os que estavam assentados no Sinédrio, fitando os olhos em Estevão viram o seu rosto como se fosse rosto de anjo.

Lendo sobre uma pessoa com um currículo destes é difícil entendermos o desfecho desta história. Os judeus, movidos de ódio e não encontrando com que o acusar, subornam algumas pessoas para darem falso testemunho. Levando-o a um rápido julgamento e a uma rápida condenação: morte por apedrejamento. 

Eu tento me colocar no lugar de Estevão… lembre-se, até aquele momento, ninguém ainda havia morrido por testemunhar da fé em Jesus Cristo. Quando aqueles judeus iniciaram o cruel ritual, nenhum campo de força foi criado protegendo o corpo de Estevão, nem as pedras se transformaram em pedaços de espuma. Não, nada disso. As pedras, cada uma delas, foram rasgando sua pele, abrindo profundos cortes em sua cabeça e desfigurando o seu rosto. Qual seria o meu sentimento em um momento tão vergonhoso e de aparente derrota diante não só dos meus inimigos mas também diante de toda a igreja em Jerusalém? Como avaliar meu serviço com um fim tão trágico e um ministério tão curto ? O que eu teria pensado? O que eu teria orado? 

Fico impressionado com a reação do amado Estevão. Não vemos um homem apavorado, desesperado ou decepcionado com Deus. Mas percebemos alguém que teve o privilégio de ver o Senhor Jesus de pé para o receber na glória. E, com, mansidão e humildade aceitou o seu destino. Talvez ele não soubesse, mas foi através da sua morte que a Igreja saiu de Jerusalém espalhando a verdade do evangelho em outras cidades. Talvez ele também não soubesse  que o seu testemunho impactaria profundamente um jovem judeu zeloso da lei chamado Saulo de Tarso. 

E, finalmente, meditando na história de Estevão eu concluí uma questão muito importante:  um homem cheio de fé, de graça, de poder, de sabedoria e, principalmente, cheio do Espírito Santo não é um homem que não leva pedradas … mas, sim , é um homem que intercede e perdoa àqueles que lhe estão atirando as pedras.

“Foram apedrejados, provados, serrados pelo meio, mortos ao fio da espada;  necessitados, afligidos, maltratados – homens dos quais o mundo não era digno” Hebreus 11:37, 38

Sã doutrina

junho 27, 2019 0 comentários

“ Ora, os da Beréia eram mais nobres que os da Tessalônica; pois receberam a palavra com toda avidez, examinando as Escrituras todos os dias para ver se as coisas eram, de fato, assim.” Atos 17:11

Conta-se a história de um rapaz recém casado que observou que a sua esposa partia o frango em dois e o colocava em duas bandejas para assar no forno. Curioso, ele perguntou o motivo … queria saber se tinha alguma técnica especial que justificasse esse procedimento. A esposa respondeu tranquilamente… “foi assim que a minha mãe me ensinou” . Não satisfeito ele procurou a sua sogra e ao questioná-la ouviu a mesma coisa “eu aprendi assim com a minha mãe” . Por sorte, a avó da sua esposa ainda estava viva e quando ele perguntou sobre esse curioso modo de preparar o frango ela respondeu: “é porque o meu fogão é muito pequeno então eu precisava colocar o frango em duas bandejas menores para poder entrar no forno”.

Somos Cristãos em 2019 Anno Domini. A história da Igreja está sendo desenrolada há quase 2000 anos e, ao longo desse tempo,  muitas e muitas coisas foram sendo acrescentadas adulterando a genuína e legítima doutrina de Cristo.

Veja que interessante o que acontece nas 7 igrejas do Apocalipse. Na primeira igreja que é a de Éfeso, se é mencionada as obras dos nicolaítas (obras que o Senhor Jesus diz que odeia) … já na terceira igreja de pérgamo – se fala da doutrina dos nicolaítas. O que começou como uma prática, ao longo do tempo transforma-se em uma doutrina, ou seja, algo que é incorporado no conjunto de mandamentos que definem nossa espiritualidade e serviço a Deus. Com isso, acumulamos muitas ideias e pensamentos que, de fato, não fazem parte da doutrina de Deus mas são doutrinas de homens. É como diz I Pedro 1: 21 sobre “o fútil procedimento que os vossos pais vos legaram”. Precisamos fazer distinção do que nos é transmitido como tradições e costumes humanos mas que não passam de fúteis procedimentos. E, jamais confiar sua decisão pelo o que a maioria está fazendo. A Bíblia nos mostra claramente que foi a voz do povo que pediu a Crucificação de nosso Senhor. Definitivamente, a voz do povo não é a voz de Deus.  É como alguém já disse: “o errado é errado mesmo que todos estejam fazendo e o certo é o certo mesmo que ninguém o esteja fazendo.

Com mudança de tempos e costumes e com a Igreja tentando se adaptar e se modelar ao mundo contemporâneo, muitas coisas estranhas estão se infiltrando no seio da igreja. E você e eu não podemos terceirizar a nossa visão. Andar a reboque dos ensinamentos ou costumes dos outros. Importante termos consciência do momento profético em que estamos vivendo. É época de confusão, de mistura e de apostasia.  É nosso dever investigar, averiguar e rejeitar tudo aquilo que não confere com as Escrituras. 

E pouco me importa o que o governo, a política, a sociedade, o clero, a universidade, o filósofo ou o amigo estão dizendo. Apenas a Bíblia, como Palavra Infalível de Deus, tem autoridade para me dirigir e estabelecer meu procedimento e costumes. Apenas a ela obedecerei. 

“Porque haverá tempo em que as pessoas se cercarão de falsos mestres como que tendo coceira nos ouvidos e rejeitarão a sã doutrina” II Tm 4:3

 

Prospectiva 2019

dezembro 27, 2018 0 comentários

“Irmãos quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas um cousa faço; esquecendo-me das cousas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.” Filipenses 3:13-14

Final de ano… como quase para todo mundo para mim também é um tempo de reflexão. Tempo de renovação de votos e de reavaliação. Todo final de ano tento fazer novas proposições: parar de tomar refrigerante, comer mais verdura, acordar mais cedo, parar de torcer pro galo… Mas ao longo desses anos perdi a ilusão que serei transformado por causa do calendário. Não me lembro de ter existido nenhuma transformação significativa em minha vida simplesmente porque um ano terminou.

Para encorajar aos Filipenses, Paulo conta um pouco da sua história (Fp 2). De como ele abriu mão de muita coisa: sua origem, sua religião, sua posição, suas convicções e ideologias. Abandonou tudo por causa de Cristo. Mas continuando seu raciocínio, Paulo diz que isso já era passado, coisa esquecida. Ele prosseguia olhando pra frente.

Então para 2008, decidi tomar a mesma atitude: esquecer as coisas que para trás ficam e avançar para as que diante de mim estão. E quando digo todas as coisas realmente significa tudo: toda vez que fui derrotado pelo pecado. Toda vez que negligenciei a prática do bem. Quando recolhi a mão para ajudar. Quando preferi meu conforto ao serviço. Todo dinheiro desperdiçado inutilmente. Toda manifestação e obra da minha carne. Toda ofensa e injustiça recebida.Todo pensamento inadequado. Toda competição. Todo tipo de inveja e cobiça. Quero deixar para trás e prosseguir para o alvo. Também quero esquecer: toda vez que venci o pecado. De cada momento em que paguei o mal com o bem. Quando estendi minha mão para ajudar. Quando preferi a assistência aos santos ao meu conforto. Todo dinheiro ofertado. Todo fruto produzido pelo Espírito. Toda palavra boa dita a seu tempo. Todo elogio recebido. Quero deixar para trás e prosseguir para o alvo.

Em Cristo existe provisão para o meu futuro. Não posso ser escravo do passado – nem das cousas más nem das cousas boas. “Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos corações.” (Hb 3:7,8). O meu desafio é o hoje. O ontem já ficou para trás. Minhas experiências podem me ensinar mas nunca me sustentarão. Por quê? “Porque o justo viverá pela fé.” E esse ponto é tão importante para Deus que Ele repete a mesma sentença várias vezes em Sua palavra (Hc 2: 3-4; Rm 1:17; Gl 3:11; Hb 10:38). O justo não pode viver baseando-se em obras. Ele vive pela fé em completa dependência de Deus pelo seu bom futuro.

Talvez eu consiga compreender um pouco melhor essa atitude de Paulo. Podemos ficar presos no passado ou como pecadores sem esperança (alvo fácil para o acusador) ou como “super-crentes” vitoriosos (alvo fácil para o orgulho).

Ao invés de fazer uma retrospectiva 2007 vou fazer uma prospectiva 2008. Vou continuar olhando pra frente, prosseguindo pro alvo até alcançar o maior prêmio que um ser humano pode sonhar: gozar a eternidade em Deus.

“Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo.” Mateus 25:34

Esperança

dezembro 31, 2017 0 comentários

“Quero trazer à memória o que me pode dar esperança(…) “A minha porção é o SENHOR, diz a minha alma; portanto, esperarei nele.” Lamentações 3:21,24

Continuo tentando “levar cativo todo pensamento à obediência de Cristo” (II Co 10:5). A força opressora e modeladora do sistema babilônico tenta modelar meus principios, valores, hábitos e costumes. Meus olhos param de olhar para o alvo e passo a almejar pequenos “prazeres transitórios da carne” que não podem me satisfazer plenamente.

Nestes últimos dias, quando a minha esperança se perde fora de Cristo, leio o pensamento de um irmão chamado W. Graham Scroggie. Hoje, gostaria de compartilhar seu pensamento:

“Cada situação neste mundo é definido como: certo ou errado, verdade ou
mentira, luz ou trevas, santo ou profano, justo ou iníquo, céu ou inferno, de
Cristo ou de Satanás. E constantemente surgem forças malignas para o
combate: Babilônia, a Besta, o Falso Profeta e o Diabo parecem dominar o
mundo. Quando esse tipo de pensamento nos oprimir, devemos voltar ao
Apocalipse para lê-lo novamente. Lá, nós vemos que a Babilônia cairá por terra
destruída, que a Besta e Falso Profeta serão lançados no lago de fogo, e que
Satanás será atirado para dentro do abismo. Não haverá mais o errado, as
trevas, o pecado, a iniqüidade, o inferno mas a vitória será do certo, da luz, da
santidade, do céu e de Cristo.A cabeça que foi coroada com espinhos na terra, será coroada com muitos
diamantes. “O Reino do mundo tornou-se de nosso Senhor e do seu Cristo e
Eles reinarão para sempre e sempre.”

A visão final não é a de Atenas e sua filosofia, nem da Babilônia e sua luxuria,
nem de Roma e seu poder, nem de Paris e sua moda nem de Nova York e seu
comércio, nem de Londres e seu esplendor. Mas vemos a Nova Jerusalém que
se ergue com seu testemunho. Meretrizes, bestas, demônios, sapos, gafanhotos
e serpentes foram lançados para fora da cidade. E o Cordeiro que foi imolado
está no trono do universo e reinará para sempre triunfantemente.

Assim termina a revelação de Deus para o homem. História que começou em um
jardim e terminou numa cidade. E, entre esses dois cenários se ergueu uma cruz. E, através
da obra nessa cruz, a tragédia do jardim transformou-se no triunfo da cidade.”

São nossas ações, não o nosso discurso, que revelam a quem realmente servimos e o que realmente nos importa. O que me faz perder o sono? Quando meu coração sonha aonde meus sonhos costumam pousar? Aonde encontro verdadeiro gozo e paz? Sejamos sinceros, o que é ou quem é a nossa esperança?

“E eu, Senhor, que espero? Tu és a minha esperança.” Salmos 39:7

Contextos

maio 5, 2010 0 comentários

“Porque a palavra de Deus é viva e eficaz e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e apta para discernir os pensamentos e propósitos do coração.” Hebreus 4:12

Muitas e muitas vezes tenho visto pessoas ao meu redor sendo orientadas pelo contexto que vivem: “vou tentar entrar sem visto se eu conseguir passar pela alfândega foi porque é da vontade de Deus pra mim” ou “recebi uma proposta de emprego irrecusável para trabalhar em outra cidade, não acredito que Deus permitiria uma oportunidade dessa na minha vida se não fosse da Sua vontade” ou ainda “foi amor à primeira vista, tudo deu certo para que ficássemos juntos isso só pode ser de Deus.” Poderia listar tantas outras situações ordinárias que nos dão a impressão que as “portas se abriram” e, então, concluímos apressadamente que vem de Deus.

As escrituras nos dão alguns exemplos de que não devemos confiar no contexto ou até mesmo em profetas que fazem sinais e prodígios porém ensinam falsas doutrinas. Em Deuteronômio 13:1- 4 o próprio Senhor nos alerta da possibilidade Dele permitir a atuação e a confirmação de sinais de falsos profetas para nos “provar, para saber se amais ao Senhor vosso Deus de todo o vosso coração, e de toda a vossa alma” (vs 3). Definitivamente não devemos estribar nossas decisões nas circunstâncias: “o justo viverá pela fé” de maneira que a bússola que orientará as suas decisões deve ser os princípios e os valores explicitados na Bíblia e não em qualquer outra pessoa ou situação.

Para mim, o maior exemplo de como o contexto pode ser enganoso, nos é relatado em I Samuel 24. O rei Saul, movido por um ciúme maligno, realizou várias tentativas de matar a Davi (o futuro rei de Israel já ungido e designado pelo Senhor). Em uma de suas campanhas contra Davi, Saul entra em uma caverna para “aliviar o ventre” sem saber que o próprio Davi e seu exército estão escondidos no interior da caverna. Ao verem Saul se despindo da sua armadura e dos seus trajes de guerra a conclusão dos homens de Davi parece ser a mais óbvia: “então os homens de Davi lhe disseram: Hoje é o dia, do qual o Senhor te disse: Eis que te entrego nas mãos o teu inimigo e far-lhe-á o que bem te parecer” (vs 4). Finalmente havia chegado o dia da vingança! Após tantas traições e tentativas de homicídio finalmente se cumpriria as promessas de Deus! Porém essa não foi a conclusão de Davi. Ele já conhecia o suficiente ao Seu Senhor para saber qual era a Sua vontade: “disse Davi aos seus homens: O Senhor me guarde de que eu faça tal cousa ao meu Senhor, isto é, que eu estenda a mão contra ele, pois é o ungido do Senhor. Com estas palavras Davi conteve os seus homens e não lhes permitiu que se levantassem contra Saul” (vs 6,7). Que homem foi Davi! Apesar de ter sido um grande herói de guerra capaz de lutar destemidamente ele não levantou a sua espada contra aquele que por quase dez anos tentou tirar a sua vida. Não tenho dúvidas de que, naquela caverna, Deus testou a fé de Davi. O Senhor preparou todo um cenário favorável para que Davi matasse a Saul. Davi foi provado e optou pela obediência a despeito do contexto. Seu coração cada vez mais pertencia a Deus. O período de preparação estava terminando e, em breve, Davi se tornaria no maior rei da história de Israel.

Tento me colocar naquela caverna escura e úmida. Qual seria a minha conclusão se eu estivesse ali? Agiria como um dos homens de Davi julgando que a situação vinha do Senhor? Discerniria adequadamente o cenário? Quanto mais conhecermos a palavra de Deus mais capacitados estaremos para distinguir os contextos. Porque a palavra de Deus não muda. Seus princípios são eternos e servem de âncora para nossa fé. Não devemos confiar em nossos “achismos”, sentimentos ou circunstâncias. Apenas a Palavra de Deus é capaz de lançar luz aos pensamentos e propósitos do coração.

Às vezes chegamos em um oásis e acreditamos que “é de Deus” outras vezes rejeitamos o deserto acreditando que Deus nunca nos levaria vivenciar experiências tão desafiadoras. Não devemos ser tão rápidos em nos mover. Porque melhor nos será estarmos no deserto com Deus do que no oásis com o diabo. Melhor é a caverna com Deus do que todo um reino sem Ele.

“o Senhor teu Deus te guiou no deserto para te humilhar, para te provar, para saber o que estava no seu coração, se guardarias ou não os seus mandamentos.” (Dt 8:2)