Daily Archives

30 de janeiro de 2020

Nas profundezas de Deus

janeiro 30, 2020 0 comentários

” Porque morreste, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo em Deus” Cl 3:3

O menino estava eufórico. Com quase oito anos de vida seria a primeira vez que veria o mar. Após uma longa viagem ele mal pode esperar. Assim que o pai parou o carro o garoto saiu correndo subindo uma pequena duna. Quando chegou ao topo pode ver aquele marzão que se perdia e se misturava no horizonte. Ficou ouvindo o barulho das ondas , pegou em suas mãos um punhado de areia fina e branca da praia e sentiu em seu rosto a brisa diferente do litoral… Quando olhou ao lado reparou um senhor, já idoso, tirando do seu barco uma rede com peixes. Ele passou toda a sua vida trabalhando por lá, sua família era de pescadores, profissão que herdou de seu pai. Conhecia tudo das correntes marítimas, marés e perigos da região, afinal de contas, dependia do mar para sustentar a sua casa. Usava um chapéu que tentava protegê-lo do sol que por anos castigou a sua pele. Estava pacientemente colocando os peixes que havia pescado dentro de um balde. Aquele garoto, então,  desceu correndo a duna e disse ao pescador: “olá, você sabia que eu conheço o mar?” Aquele senhor olhando nos seus olhos, abriu um largo sorriso e disse: “olá amiguinho, fico feliz em saber disso…pois no meu caso, eu ainda estou o conhecendo.”

 

Essa história me fala muito ao coração quando eu penso no convite Divino em se relacionar comigo. Que tipo de experiência eu tenho tido com o Senhor Deus? Será que é uma experiência limitada por alguns momentos especiais, cultos dominicais e uma lista de mandamentos que eu me esforço em obedecer ou é uma profunda e verdadeira experiência de imersão onde todos os meus sentidos, valores e vontades estão sendo transformadas por uma realidade que me envolve completamente? 

 

Assim como o garotinho da nossa história, será que estou satisfeito com a forma que tenho me consagrado ao Senhor, a forma como eu tenho me dedicado às coisas espirituais? Será que eu tenho conhecido as coisas profundas de Deus? Ou como é próprio da meninice, eu tenho apenas uma pequena noção de toda a realidade eterna, invisível e espiritual que me cerca. Será que saio por aí dizendo às pessoas que conheço a Deus, orgulhoso do meu nível de conhecimento bíblico sem contudo desejar desesperadamente um avivamento urgente e necessário na minha história?

 

Eu e você podemos dizer: “eu conheço a Deus” mas a forma como nos relacionamos com o Senhor Deus pode ser completamente diferente. Para alguns Deus se limita a um estilo de vida, uma filosofia, ritos religiosos ou até mesmo uma agenda social. Para outros, porém, Deus torna-se seu tudo: Ele é o seu ambiente, seu ar, sua comida e bebida,Sua paixão, seu anelo, sua esperança e o seu melhor pensamento.. Seu amigo, conselheiro, mestre, consolador, pastor e pai. Seu centro, refúgio, habitação e descanso. Sendo assim, Deus se torna o que Ele deve ser… Deus. Aquele que se assenta no trono do nosso coração. Aquele por quem existimos e o único a quem adoramos. Aquele que nos dá propósito de vida, estabelece e aponta a direção. Penso que seja esse o encorajamento de Paulo aos Colossenses… ele diz … vocês morreram para uma vida meramente humana, isso não existe mais. Vocês agora estão ligados em Cristo e essa nova vida se dá e se vive em Deus. 

 

Brennan Manning certa vez escreveu: Deus não terá importância nenhuma na sua vida se ele não tiver importância absoluta. E eu concordo com ele. Se Deus não for Deus então Ele não assumirá seu lugar de direito como nosso criador e como o nosso redentor. E da  mesma forma, também não tomaremos posse do nosso privilégio de vivermos como filhos benditos do altíssimo.  

 

” Conheçamos e Prossigamos em conhecer ao Senhor; como a alva sua vinda é certa. E ele descerá sobre nós como a chuva serôdia que rega toda a terra.” Oséias 6: 3