Pessoas melhores do que você

janeiro 16, 2020 0 comentários

“Quem és tu que julgas o servo alheio? para o seu próprio senhor está em pé ou cai. Um faz diferença entre dia e dia; outro julga iguais todos os dias. Cada um tenha opinião bem definida em sua própria mente. Quem distingue entre dia e dia, para o Senhor o faz; e quem come para o Senhor o come. Tu porém, por que julgas a teu irmão? e tu porque desprezas o teu? pois todos compareceremos perante ao tribunal de Deus.” Rm 14: 4 – 10

Vivemos em uma época de muitas possibilidades doutrinárias e teológicas. Ao se multiplicar o acesso ao conhecimento e a informação múltiplos caminhos de interpretação bíblica também foram surgindo. Ao tentar compreender a expressão e a revelação de Deus, eu e você, podemos ir para caminhos opostos. Um crê na Teologia da Aliança, outro é dispensacionalista ou um outro acredita na Teologia das Múltiplas Alianças. Isso faz com que interpretemos questões como dízimo, sábado, sacerdócio ou ritos de formas bem diferentes.

Veja bem, é muito importante que você tenha clareza no que você crê. É como Pedro diz: “que devemos estar sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós” I Pe 3:15. Devemos ter as nossas convicções, afinal,  prestaremos conta da nossa consciência diante do Senhor. A minha observação não está no fato de você ter firmeza nas suas crenças mas é o perigo de perdermos o nosso coração quando temos que lidar com irmãos que pensam e vivem de forma diferente do que acreditamos ser o correto.  

Nossa soberba e orgulho se escondem em um aparente zelo pela palavra. Ai o inacreditável acontece … passamos a odiar, difamar, caluniar e destruir as pessoas que discordam de nós. Concluímos que nós somos os guardiões da verdade! Que a forma como eu entendo as escrituras é a correta e assumimos um papel que não nos cabe – de julgarmos ao próximo usando a nossa teologia como um perfeito instrumento de aferição. E assim, em nome do amor odiamos. Em nome da Igreja ferimos o próprio corpo de Cristo. Em nome de interpretações  bíblicas desobedecemos as instruções claras e diretas da bíblia sobre o amor, a mansidão, o domínio próprio ou a longanimidade. É como o ditado que diz: Acabamos matando o boi para exterminar o carrapato. 

A história de Joabe sempre me fala muito ao coração como uma advertência prática. Joabe foi o comandante dos exércitos do Rei Davi. Sempre à frente das campanhas militares, alcançou um merecido status no reino por sua valentia, bravura e aparente fidelidade ao rei. Um homem de guerra, pronto para defender a Israel contra qualquer inimigo ou traidor. Foi o que aconteceu quando ele matou a Abner, que não havia apoiado a passagem do reino a Davi e seguiu ao filho de Saul – Is-Bosete. Da mesma forma,  quando Absalão tentou usurpar o reino de Davi colocando Amasa como seu comandante … Joabe não hesitou quando com uma mão segurou na barba de Amasa para o beijar e com a outra enfiou a espada no seu abdômen derramando no chão as suas entranhas. Matou os traidores do reino, julgando com isso que estava cooperando com o propósito de Deus. Mas leia com atenção o final da história de Joabe. Quando Salomão filho de Davi assumiu o trono, ele sentencia a morte de Joabe dizendo em I Rs 2:32 … “Assim o Senhor fará recair a culpa de sangue de Joabe sobre a sua cabeça, porque arremeteu contra dois homens mais justos e melhores do que ele, e os matou à espada, sem que meu pai Davi o soubesse.” Joabe não perguntou ao Rei o que deveria fazer … impulsivamente ele deduziu que deveria eliminar àqueles que não tinham a mesma devoção que ele tinha pelo seu rei. Mas, essa expressão, sempre fica ecoando em meu coração … “homens mais justos e melhores”. Joabe olhava o exterior .. o Senhor Deus, no entanto,  olha o interior. Esse é o importante conselho que Paulo dá em I Co 4:5 quando diz: “nada julgueis antes do tempo, até que venha o Senhor, o qual não somente trará à plena luz as cousas ocultas das trevas, mas também manifestará os desígnios dos corações; e então, cada um receberá o seu louvor da parte de Deus” I Co 4:5. Cuidado, você pode estar desprezando pessoas por causa da doutrina diferente da sua mas que são mais justas e melhores do que você…

 

Fico pensando no Tribunal de Cristo … será que, naquele dia,  o Senhor avaliará qual é a nossa cartilha teológica? Será que seremos avaliados pela doutrina certa acerca das coisas?  Será que aquele que sonda mente e coração está interessado em conhecimento ou em obediência? Em informação ou em formação de caráter? Religião ou Realidade?

 

Assim como aconteceu com aquela figueira a beira do caminho de Jerusalém. Um dia também o Senhor Jesus se aproximará de mim para colher os frutos que foram produzidos ao longo da minha história. Será que encontrará o que procura para comer ou encontrará apenas folhas de uma vida que não aprendeu a viver? 

 

“Porque importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo.” II Co 5:10