Dependência

junho 28, 2010 0 comentários

“Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar.” I Pedro 5:8

Por fim acabou. Fiz um curso em São Paulo de 04 meses de duração. Viajava todas as terças-feiras e voltava para casa ou nas sextas ou nos sábados. Foram mais de 50 viagens de avião tantas outras dezenas de mini-viagens até Campinas com idas e vindas de ônibus entre os aeroportos e outras dezenas de corridas de táxi. Lembro-me do meu sentimento de dependência no primeiro dia de curso. Estava deixando minha casa, minha esposa, meu conforto e iria encarar um período cheio de situações novas em uma cidade desconhecida. Mas, pela infinita graça do Senhor o curso acabou e tudo ocorreu muito bem.

Tenho que confessar porém um sentimento que foi se agravando ao longo desse tempo: minha independência de Deus. À medida em que eu me acostumava com as viagens, com a cidade, com os cenários passei a me despreocupar. Fui perdendo a percepção de que necessitava de proteção e, as minhas orações, foram perdendo o clamor e o fervor de uma alma que depende da benção de Deus. Passei a confiar na minha experiência pessoal como se ela pudesse garantir minha segurança ou proteção. Cada viagem e cada dia em São Paulo foram se transformando em coisas comuns para mim e, conseqüentemente, fui perdendo a capacidade de depender de Deus e agradecê-lo ao final de cada dia.

Essa situação expôs bastante minha petulância ao andar por essa terra. Naquilo em que eu “me garanto” coloco o Senhor de lado. Quando porém percebo a minha fragilidade corro em oração para os seus braços. Mas tal atitude revela minha insensatez e arrogância. Não há absolutamente nenhuma situação em que eu possa me garantir. “Qual de vós, por ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado ao curso da sua vida? (Mt 6:27). Não sei se amanhã estarei vivo ou com saúde ou com emprego. Se não posso me proteger quanto mais aos meus queridos que me cercam! Cada dia de manhã que saio de casa eu deveria renovar minha confissão que, sem Deus, estou desprotegido e indefeso. Deveria com toda sinceridade perceber quão terrível batalha se é travada sobre esse planeta e de que como eu deveria ter uma percepção mais acurada dos perigos e ameaças em que me exponho quando eu simplesmente me esqueço disso. Satanás sempre anda ao derredor procurando alguma ovelha rebelde e distraída para a devorar.

Tento imaginar o que Deus pensa de mim quando me vê… Quão ridículo é o meu comportamento ao tentar viver um segundo sequer pelas minhas forças. Quão ridículo é para a criatura esquecer do seu criador. Viver na ilusão do pecado original – desejar ser um deus – talvez seja a maior loucura da humanidade.

Ao final desse curso aprendi algumas coisas mas a principal dela é que o cotidiano tem a capacidade de envelhecer a nossa fé. O viver comum é acompanhada de muitas bênçãos extraordinárias de Deus para mim. Se tenho saúde hoje ou se tenho recebido o pão de cada dia isso não vem de mim é benção dos céus. Não devo, nem por um momento sequer, tirar os meus olhos do meu Senhor. Cada movimento, decisão, minuto, esforço da minha vida quero consagrar ao Rei dos meus dias.

Então, ao final de cada dia, antes de fechar os olhos em repouso cantarei das bondades e das misericórdias do meu Senhor. Louvarei ao seu Santíssimo nome por cada benção recebida no meu dia. E, quando ao despertar, no inicio de um novo dia cheio de aventuras, não ousarei sair da minha cama antes de dizer: “A ti meu Senhor consagro esse dia. Não passo de uma frágil e pequenina ovelha do teu pasto. Guia-me em todas as coisas, livra-me do poder do leão e das suas armadilhas. E, por fim, amado Senhor, ensina-me a fazer a Tua vontade para que o meu dia seja agradável aos Teus olhos e que todas as minhas atitudes redundem em louvor,honra e glória somente a Ti.”

“Da minha parte é feito um decreto, pelo qual em todo o domínio do meu reino os homens tremam e temam perante o Deus de Daniel; porque ele é o Deus vivo e que permanece para sempre, e o seu reino não se pode destruir, e o seu domínio durará até o fim. Ele salva, livra, e opera sinais e maravilhas no céu e na terra; ele salvou e livrou Daniel do poder dos leões.” Daniel 6:26,27